Durante a audiência de custódia que manteve sua prisão, a ex-deputada federal Flordelis dos Santos de Souza afirmou à Justiça que tem renda média mensal de R$ 100 mil como cantora gospel, além de cinco salários mínimos que ganha como pastora. A parlamentar cassada tem uma igreja própria, o Ministério Flordelis, e faz apresentações em outros templos.

Flordelis já foi contratada da MK Music, gravadora da família do senador Arolde de Oliveira, morto de Covid-19 em outubro do ano passado. Ela acabou perdendo o contrato com a gravadora após ser acusada de matar o marido, o pastor Anderson do Carmo. Meses antes de ser presa, ela retomou suas apresentações com a produtora Realize Music, incentivado pelo produtor musical Allan Soares, seu namorado.

O depoimento, no entanto, vai contra a história contada por ela em março deste ano, no programa “Conversa com Bial”. Naquela ocasião, Flordelis disse que estava passando dificuldades financeiras e que estava com dívidas por conta de empréstimos feitos junto a bancos e que vivia “só com metade do salário de parlamentar” – cerca de R$ 33 mil, cheio.

— Há meses, preciso de cesta básica de amigos. Se eles não mandam, eu não tenho comida para dar para os meus filhos — garantiu a pastora no programa: — Hoje eu vivo com bastante dificuldade.

A audiência de custódia confirmou a prisão preventiva de Flordelis. Ela  foi detida por agentes da delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo, responsável pelo caso. Flordelis foi levada para a cadeia José Frederico Marques, onde chegou a autografar bíblias das detentas. Depois da confirmação da prisão, ela foi encaminhada para o Instituto Penal Santo Expedito, ao lado do Complexo de Gericinó, na zona Oeste do Rio.