A cúpula das Forças Armadas dos Estados Unidos querem que o presidente do país, Joe Biden, determine que os militares e civis que trabalham nas forças sejam obrigados a serem vacinados até o meio de setembro, de acordo com informações publicadas pela agência de notícias Reuters.

No mês passado, Biden pediu aos governos estaduais que paguem aos moradores para que eles tomem vacina contra a Covid-19. Ele também decretou novas regras para servidores federais, que precisarão ser vacinados ou então passar por testes regulares. Eles também são obrigados a usar máscaras e devem observar algumas restrições a viagens.

Os líderes das Forças Armadas (nos EUA, chama-se o comando de Pentágono, que é o nome do prédio onde fica a sede das forças) ficaram incumbidos de decidir qual seria a política para seus empregados.

Dois dirigentes que falaram sob a condição de permanecerem anônimos disseram que esperavam que a vacina da Pfizer fosse aprovada plenamente, e não provisoriamente, que é o caso atual.

Metade dos militares já estão plenamente vacinados. Se os reservistas forem excluído, a porcentagem de vacinados aumenta.

A Marinha tem as mais altas taxas —cerca de 73% estão vacinados. No ano passado houve uma epidemia grave em um navio da Marinha.

Nos EUA, cerca de 60% dos adultos foram vacinados com duas doses.