O deputado federal Marcelo Freixo (Psol-RJ) pediu à Justiça que determine o afastamento de Ricardo Salles do Ministério do Meio Ambiente. Ação foi apresentada  4ª feira (19.mai.2021) após o titular da pasta ser alvo de buscas e ter o sigilo quebrado em operação da PF (Polícia Federal).

 “Os acontecimentos ao longo da gestão do Ministro Salles apontam que não houve defesa do meio ambiente. Pelo contrário, houve violação de normas protetivas, aumento no desmatamento e, inclusive, na contramão de seu dever legal, houve atuação parcial na defesa de extratores ilegais de madeira“, afirmou.

O deputado pede que Salles seja afastado do Ministério do Meio Ambiente até o final do julgamento da ação. No mérito, quer a anulação do ato de nomeação do ministro, assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) em 2019.

Salles foi alvo da operação Akuanduba, que apura crimes de corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e facilitação de contrabando. A investigação foca em delitos praticados por agentes públicos ligados ao Ministério do Meio Ambiente e ao Ibama e por empresários do ramo madeireiro.

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), autorizou as diligências. Buscas foram feitas na casa de Salles em São Paulo e em seu imóvel funcional em Brasília. O sigilo fiscal e bancário do ministro também foi quebrado.

Salles afirmou que a operação foi “exagerada e desnecessária“. Negou as acusações e disse que a PF induziu Alexandre de Moraes ao erro.

“Faço aqui uma manifestação de surpresa com essa operação que eu entendo exagerada, desnecessária, contra todos os que foram citados”, disse Salles. “Todos, não só o ministro, todos os demais que foram citados e foram incluídos nessa legislação tiveram sempre à disposição para esclarecer quaisquer questões”.