A Polícia Militar do Tocantins anunciou que todos os futuros integrantes da corporação passarão pela capacitação em Língua Brasileira de Sinais (Libras) nos cursos de formação.

O projeto será implementado pela Diretoria de Ensino e Pesquisa da PM, em parceria com a Universidade Federal do Tocantins (UFT) e Instituto Federal do Tocantins. O objetivo é fomentar a inclusão durante os atendimentos de ocorrências e outras atividades envolvendo os agentes de segurança pública.

Para oficializar a ação, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Júlio Manoel da Silva Neto, recebeu em seu gabinete as colaboradoras do projeto e professoras de Libras Maria Inês de Souza Alini Cardoso, juntamente com a coronel da PM Wélere Gomes Barbosa, diretora de ensino, instrução e pesquisa da corporação.

“Certamente esse é um marco e uma grande conquista para a nossa corporação. Trazendo inclusão e capacitando aos nossos policiais militares para estarem aptos à verbalização em Libras, cumprimos mais uma etapa da nossa responsabilidade social na garantia da acessibilidade a todos os cidadãos tocantinenses”, explicou o coronel Silva Neto.

Direito de todos

Segundo a diretora de ensino e pesquisa da PMTO, coronel Wélere, a promoção do aprendizado de Libras está em consonância com a legislação vigente no país que prevê a garantia de igualdade.

“A implantação desse curso na formação dos nossos policiais militares é de extrema importância, pois a língua já é reconhecida como um meio legal de comunicação e expressão e torna possível um alcance maior e mais inclusivo do nosso trabalho. Quero agradecer essa parceria firmada e ao comando da PM, que abraçou esse projeto”, ressaltou.

Concurso 

A PM possui um concurso em andamento que oferta 1.000 vagas. Os candidatos já realizaram a avaliação psicológica e ainda passarão por avaliação médica e odontológica e investigação social e da vida pregressa antes da convocação para o curso de formação.