O Ministério Público do Tocantins (MPTO), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), da Polícia Civil (Denarc) e do núcleo de inteligência do Detran, realizaram na tarde da última segunda-feira, 05, operação conjunta para desarticular polo de distribuição de entorpecentes ligado à organização criminosa na capital.

As informações apontam que uma rede de traficantes, chefiada por presos da Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPP), havia cooptado gerentes para receber, armazenar, fracionar e distribuir carregamentos de entorpecentes vindos do Estado de Goiás. Apurou-se, ainda, que estes gerentes estariam utilizando veículos clonados para a distribuição da droga.

Na operação, foram presos um homem e uma mulher responsáveis pelo gerenciamento dos carregamentos de entorpecentes; a mulher, inclusive é candidata a vereadora no município de São Félix-TO.

Foram apreendidos um veículo clonado, várias barras de maconha, cocaína, crack, comprimidos de ecstasy, insumos para embalagem, entre outros. A casa onde foi desencadeada a operação era alugada pelo grupo e funcionava como um minilaboratório para o refinamento da cocaína. A droga apreendida está avaliada em mais de R$ 82.000,00 reais.