O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, negou o pedido do deputado Eduardo Bolsonaro para impedir a prorrogação da CPI mista das fake news. O deputado alegou, entre outras coisas, que a comissão não respeita o foco das investigações.

No início de abril, um documento encaminhado à comissão mostrou que um computador do gabinete de Eduardo Bolsonaro foi usado para criar uma página de ataques virtuais a adversários políticos. Ele nega.

Na decisão, o ministro Gilmar Mendes criticou a tentativa de frear os trabalhos da comissão e afirmou que investigar o impacto de informações falsas nas eleições é fundamental para a democracia. Gilmar Mendes disse ainda que a CPMI e os inquéritos sobre as fake news em andamento no Supremo são de vital importância para identificar quadrilhas que manipulam o debate político e violam a ordem democrática.