O consórcio Eco 153, união entre o grupo EcoRodovias e a Global Logistic Properties (GLP), foi o vencedor do leilão de quatro trechos de rodovias federais realizado nesta quinta-feira (29) pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e o Ministério da Infraestrutura.

A concessão compreende parcelas das BR-153, BR-414 e BR-080, sistema rodoviário que liga os estados de Tocantins, Maranhão, Pará e Amapá com a Região Centro-Sul do país. A agência e o ministério prevêem R$ 7,8 bilhões em investimentos e mais R$ 6,2 bilhões em custos operacionais.

Objetivo com leilões é investimento, não arrecadação, diz ministro da Infraestrutura

Além do Eco 153, a CCR S.A. participou da disputa. Venceu o maior valor de outorga aliado à menor tarifa de pedágio, chamado “critério híbrido” – foi o primeiro leilão nesse modelo.

Ambos ofereceram tarifa mínima de pedágio, de R$ 0,10218 por quilômetro de pista simples (16,25% de deságio), fazendo prevalecer a melhor oferta de outorga oferecida pelo consórcio Eco 153, de R$ 320 milhões. A CCR ofereceu R$ 117 milhões.

“No total, o consórcio vencedor vai investir R$ 1,260 bilhão na rodovia nas próximas décadas. Com a outorga de R$ 320 milhões, 75% do total – equivalente a R$ 960 milhões – serão destinados para a conta vinculada que deverá ser usada em obras no Tocantins”, diz nota do Ministério da Infraestrutura.

Trechos leiloados

Segundo a ANTT, foram concedidos 850,7 quilômetros de vias, com exploração por 35 anos e prorrogáveis por, no máximo, mais 5 anos.

Especificamente, são essas as regiões leiloadas:

BR-153/TO: de Aliança do Tocantins (TO) à divisa de estado com Goiás;

BR-153/GO: da divisa do estado de Goiás com Tocantins até Anápolis (GO);

BR-414/GO: de Assunção de Goiás (GO) até Anápolis (GO);

BR-080/GO: do entroncamento com a BR-414 em Assunção de Goiás (GO) até o entroncamento com a BR-153.

Como define o órgão, os vencedores ficam responsáveis pela infraestrutura dos trechos, duplicação de trechos e pela prestação do serviço de “recuperação, conservação, manutenção, operação, implantação de melhorias e ampliação de capacidade das rodovias”.

A Taxa Interna de Retorno foi fixada em 8,47%. A expectativa da ANTT é de criação de 119,4 mil empregos diretos e indiretos.

Por G1