O Ministério Público Estadual informou que o Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública (Gaesp) vai monitorar e fiscalizar as medidas adotadas pelo atual secretário de Segurança Pública e pelo comandante-geral da Polícia Militar, voltadas a apurar e corrigir os fatos noticiados pela Polícia Federal nas operações Hygea e Éris. Foram essas operações que resultaram no afastamento do governador Mauro Carlesse (PSL) e secretários de Estado por 180 dias, numa decisão do dia 20 do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Reunião com a cúpula da segurança

Ao instaurar o procedimento administrativo, o Gaesp decidiu convidar o secretário da Segurança Pública, Wlademir Oliveira, e ao comandante-geral da Polícia Militar, coronel Júlio Manoel da Silva Neto, para uma reunião na quinta-feira, 11.

Apuração no âmbito administrativo

O MPE informou que o Gaesp vai acompanhar as medidas adotadas pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) e pela Polícia Militar voltadas à apuração dos fatos no âmbito administrativo, que podem resultar em responsabilizações específicas para esta área. O grupo ainda acompanhará as diretrizes e prioridades das pastas estaduais da área de segurança, bem como a execução das políticas de segurança pública.