Grupos indígenas da comunidade Misak, da Colômbia, derrubaram uma estátua equestre de um colonizador espanhol, Sebastián de Belalcázar, no estado de Cauca.

Eles amarraram cordas, puxaram e derrubaram o monumento. Os manifestantes protestavam contra a violência na região.

Sebastián de Belalcázar foi o fundador de Quito, no Equador, em 1534. Ele era da cidade espanhola de Córdoba.

O Movimento de Autoridades Indígenas do Sudoeste da Colômbia (Aso) argumentou que Belalcázar cometeu crimes como genocídio e expropriação de terras de povos que habitavam a região.

Segundo a AISO, essas denúncias se baseiam em crônicas, relatos históricos, e arquivos, entre outras fontes que vão desde textos acadêmicos a “histórias confiáveis da tradição oral de nossos povos ancestrais “.

A prefeitura da cidade de Popayán, onde houve o incidente, afirmou que a estátua foi erguida em 1937, para comemorar os 400 anos da fundação da cidade. O prefeito afirmou que ela será reconstruída.