“É uma nova loucura”, expressou Guaidó, que preside a Assembleia Nacional, único poder nas mãos da oposição. “Pretendem fechar ilegalmente o Parlamento venezuelano, por isso a convocatória irregular  da ANC”, organismo controlado pelo chavismo, que tem poderes absolutos e assumiu os trabalhos legislativos.

Em uma mensagem transmitida pelas redes sociais, Guaidó indicou que entre as possíveis medidas que podem ser tomadas pela Constituinte está “convocar ilegalmente eleições” para o Parlamento e “perseguir maciçamente os deputados”. “A esta hora não têm decisão política”.

A Assembleia Nacional, cujas decisões são consideradas nulas pela justiça depois de declará-la “em desacato”, foi eleita em 2015 e seu mandato termina em 2021.

Guaidó garantiu ter denunciado o possível ataque a seus sócios na comunidade internacional, diante de “valentes militares da Força Armada Nacional que não concordam em esses elementos” e com integrantes do governo do presidente Nicolás Maduro “que querem novas alternativas”.