A Igreja católica da Polônia revelou que desde 2018 recebeu mais de 350 novas denúncias relacionadas a supostos abusos sexuais contra menores cometidos por clérigos.

O relatório foi divulgado em um momento complicado para a igreja polonesa, que enfrenta uma série de escândalos de abusos e encobrimentos. Esse é um assunto tabu no país, onde há forte presença da religiosidade cristã.

“O que é surpreendente é o fato de que houve uma onda de revelações desde o último relatório”, disse Adam Zak, um padre jesuíta e coordenador da proteção à criança no bispado polonês.

“Com certeza, ainda há muitos casos escondidos que provavelmente continuarão sendo revelados”, disse em uma apresentação online desses dados.

De julho de 2018 até o final de 2020, a Igreja polonesa recebeu denúncias de 368 casos de abusos sexuais, cometidos desde 1958 até o último ano. Metade das vítimas era de menores de 15 anos, a idade de consentimento na Polônia.

Além disso, 39% das acusações foram comprovadas, 51% ainda estão sob investigação e 10% foram rejeitadas por não serem credíveis, segundo a instituição.

Adam Zak afirmou que o número de casos recentes “não é nada pequeno”.

Este relatório é a continuação de outro que notificou quase 400 casos de abusos de menores no clero da Polônia entre 1990 e 2018.

Documento divulgado em 2019

Em anos recentes, houve uma longa série de escândalos de abuso sexual no berço da Igreja polonesa, especialmente após a emissão de um documentário que viralizou em 2019 chamado “Não conte a ninguém”.

O Vaticano sancionou, no último ano, quatro bispos poloneses e anunciou a demissão de outros dois por encobrirem casos de pedofilia.

Começa no Vaticano encontro histórico sobre pedofilia na Igreja Católica

Começa no Vaticano encontro histórico sobre pedofilia na Igreja Católica

Também aceitou a renúncia de um arcebispo acusado de acusar outros padres e ignorar casos de abusos, e está investigando um influente auxiliar do papa polonês João Paulo II, o cardeal Stanislaw Dziwisz, por acusações semelhantes.