O presidente Jair Bolsonaro anunciou que o governo deve aumentar o limite de isenção da declaração do Imposto de Renda (IR) 2020. A decisão, segundo ele, “está na reta final” de discussão. O teto passaria dos atuais R$ 1.903,99 para R$ 3.000. Com isso, quem ganha até este valor por mês, em média, estaria isento.

— Está na reta final para ver se a gente passa o limite do Imposto de Renda para R$ 3.000. O Tostes (José Tostes, secretário Especial da Receita Federal), na Receita, que faz as projeções. Quem paga Imposto de Renda nessa faixa, quando chegar em março e abril do ano que vem, ele tem nota fiscal, ele recupera tudo de volta. Se a gente pode evitar essa mão de obra enorme para a Receita, para o cara que às vezes tem que procurar um vizinho, um filho, tem dor de cabeça para fazer essa declaração do Imposto de Renda, passa o limite para R$ 3.000. Para mim, o ideal seria R$ 5.000, mas aí o impacto é muito grande. Mas se tá em R$ 2.000 e passa para R$ 3.000, já começa a sinalizar, realmente, uma desburocratização — disse o presidente durante uma entrevista no Palácio do Alvorada.

Durante a campanha eleitoral de 2018, Bolsonaro prometeu isentar da cobrança de IR o trabalhador que ganha até cinco salários mínimos, o que equivale a R$ 4.990 em 2019. No início do mês, o presidente havia dito que subiria o limite para R$ 2.000, mas agora disse que a elevação vai mais longe. A expectativa do presidente é que a mudança já esteja valendo para a próxima 2020. Na declaração de 2019, estava isento quem ganhava R$ 1.903,99 por mês.