Israel assinou um contrato com a gigante farmacêutica americana Pfizer que lhe permite obter mais milhões de doses da vacina contra a Covid-19, de acordo com um comunicado conjunto do escritório do primeiro-ministro e do ministério da Saúde divulgado nesta segunda-feira (19).

Quase cinco milhões de israelenses, ou seja, mais da metade de sua população, já receberam duas doses da vacina Pfizer-BioNTech, segundo as estatísticas publicadas nesta segunda pelo ministério da Saúde.

“Assinamos um acordo com a Pfizer para comprar milhões de doses de sua vacina, que nos permitirão continuar combatendo o coronavírus até o final de 2022”, diz o texto enviado à imprensa.

País com 9,2 milhões de habitantes, que possui a campanha de vacinação mais intensa do mundo desde o final de dezembro, Israel conseguiu sair gradualmente do seu terceiro confinamento no início de fevereiro.

No domingo, levantou a medida que obrigava o uso de máscara em lugares públicos.

Em troca de um acesso rápido a milhões de doses da vacina da Pfizer, Israel – que digitalizou os dados sanitários de toda a sua população – fornece ao laboratório informações sobre os efeitos da vacinação.

“Se não enfrentarmos uma surpresa com as variantes (da Covid) que a vacina não combater, estamos em condições de vacinar toda a população, tanto adultos quanto crianças”, afirmou o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, no comunicado oficial.

Israel, que registra 837 mil infectados e 6.340 mortes, viu uma diminuição da epidemia há várias semanas, com menos de 200 novos casos diários, contra mais de 10.000 no momento mais difícil da crise de saúde.