Amigo e “chefe” por quase 30 anos de Bira, Jô Soares conversou com O GLOBO sobre o baixista, morto no domingo. O apresentador conta que não vinha tendo muito contato presencial com o músico, se falavam esporadicamente por telefone. Mas Jô sabia, por meio de seus funcionários, que o amigo “já não vinha bem”.

 

— Ele era uma resistência, mesmo já debilitado. Tinha uma imensa alegria e a transmitia com aquela gargalhada marcante dele. — relembra.

 

 

Beth Carvalho, Gugu Liberato, Antunes Filho: 2019, um ano de perdas marcantes

 

Outra característica inesquecível de Bira, segundo Jô, era a “comunicação inteligente” do baixista.

 

— Era muito bem informado, lia demais, participava ativamente de todas as entrevistas. Quando fazíamos shows fora do programa com o Sexteto, era sempre o mais querido, mais tietado. Nessas horas não há muito mais a ser dito. Apenas que ele vai fazer muita falta. — lamenta.

 

De 1991 até 1999, Bira esteve ao lado de Jô no programa “Jô onze e meia”, do SBT. A partir de 2000, na TV Globo, o baixista brilhou junto com seus colegas do Sexteto no “Programa do Jô”, que teve fim em 2016.

 

Desde então, Bira chegou a declarar em algumas entrevistas que estava muito triste e demorando a se acostumar com a ideia de não gravar mais o programa.

 

— Ficamos todos muito chateados, o que é normal depois de tanto tempo. Mas não acredito que isso tenha deixado ele entristecido a ponto de afetar sua saúde.— diz Jô.