Roger Abdelmassih conseguiu  o direito de ser transferido para prisão domiciliar. A decisão leva em conta o risco de o médico cassado de 76 anos ser contaminado pelo coronavírus. Ele havia sido condenado a 278 anos de prisão por 52 estupros e quatro tentativas de estupro a 39 mulheres, a maioria paciente de sua clínica de fertilização.

Em sua decisão, a juíza Sueli Zeraik de Oliveira Armani, da 1ª Vara de Execuções Criminais de Taubaté, cita o bom comportamento de Abdelmassih na prisão. “Ademais, se trata de detento idoso e possuidor de diversas comorbidades,destacando-se as cardiácas e respiratórias, conforme inúmeros laudos médicos e relatório apresentado pela unidade prisional”, afirma a magistrada, na decisão.

Dono de uma das mais prestigiadas clínicas de reprodução assistida do país, Abdelmassih foi alvo de uma série de denúncias por parte de suas pacientes em 2009. Ele chegou a ser preso preventivamente na época. Em 2010, foi condenado, chegou a ser preso, mas conseguiu o direito de recorrer em liberade. Quando os casos vieram à tona, seu registro profissional de médico foi cassado. Em 2011, o médico fugiu do país e só foi capturado três anos depois em Assunção, no Paraguai. Atualmente, cumpre pena no Presídio de Tremembé, no interior de de São Paulo.