A senadora tocantinense Kátia Abreu (PP) é uma das parlamentares que aderiram ao movimento nas redes sociais da bancada feminina no Senado que pede ao presidente Jair Bolsonaro a sanção da lei que eleva a punição para discriminação salarial contra trabalhadoras. O movimento surgiu depois que Bolsonaro lançou enquete para decidir se sanciona ou não a matéria.

Multa de 5 vezes a diferença

Com a lei, a empresa terá que pagar à empregada prejudicada uma multa de até cinco vezes o valor da diferença salarial em relação ao homem que ocupa a mesma função. O movimento das senadoras de diferentes partidos consta de mensagens com a hashtag #PL130SancionaPresidente, em alusão ao número do projeto de lei.

Não podemos tolerar

No seu perfil no Twitter, Kátia disse não ter dúvidas de que, se for caso, o Congresso Nacional “restabelecerá a justiça às mulheres e derrubará o veto”. “No Brasil, a disparidade salarial entre homens e mulheres que exercem a mesma função, com o mesmo desempenho, é de 25%. Não podemos mais tolerar isso!”, defendeu a senadora tocantinense.

Por Cleber Toledo