Enrique Tarrio, o líder do grupo extremista Proud Boys, foi condenado nos Estados Unidos a cinco meses de prisão por atear fogo a um cartaz do movimento antirracista Black Lives Matter, em um dos protestos em apoio ao ex-presidente Donald Trump.

Tarrio, de 36 anos, organizou e liderou protestos dos Proud Boys, um dos grupos que invadiram o prédio do Congresso dos EUA no dia 6 de janeiro.

Ele foi preso pela polícia da cidade de Washington DC no começo de janeiro, antes do protesto dos apoiadores de Donald Trump.

Tarrio foi indiciado por ter dois cartuchos de rifles e ter queimado um pôster do Black Lives Matter durante um protesto em dezembro.

Ao menos cinco membros dos Proud Boys foram acusados pela sua participação na invasão. O FBI afirmou que a prisão de Tarrio foi uma tentativa de evitar eventos como os que aconteceram no dia 6 de janeiro.

Identificados com as cores preto e amarelo, os Proud Boys ganharam notoriedade quando o presidente Trump lhes disse para “recuar e esperar” durante um debate em setembro de 2020 com Biden, então candidato democrata à presidência.