O líder norte-coreano Kim Jong-un tachou a oferta de diálogo dos Estados Unidos de “fachada para mascarar sua enganação e seus atos hostis”, reportou nesta quarta-feira (29) (manhã de quinta-feira no horário local) a imprensa estatal.

Os contatos entre os dois países, iniciados sob o mandato de Donald Trump, foram interrompidos em 2019, após o fracasso da segunda cúpula entre o presidente republicano e o líder norte-coreano em Hanói, Vietnã.

Desde que chegou à Casa Branca, o governo de Joe Biden tem oferecido reiteradamente ao isolado regime comunista um encontro em qualquer lugar, a qualquer momento e sem condições prévias.

Com a chegada de Biden, “a ameaça militar americana e a política hostil para conosco não mudaram em absoluto, mas se tornaram mais maliciosas”, disse Kim Jong-un durante um longo discurso à Assembleia Suprema do Povo, o Parlamento de partido único norte-coreano.

As tensões aumentaram nas últimas semanas na península coreana, onde tanto o Norte quanto o Sul exibiram com pompa as inovações tecnológicas de seu armamento.

Na quarta-feira, Pyongyang assegurou que tinha testado com êxito um míssil de planeio hipersônico, um artefato muito mais ágil e rápido que os convencionais, e também mais difícil de ser interceptado pelos sistemas de defesa.

Previamente, o regime comunista, dotado de armas nucleares, tinha lançado mísseis de cruzeiro de longo alcance e outros de curto alcance, disparados de um trem.

O Sul, por sua vez, anunciou o primeiro teste bem-sucedido de mísseis lançados de um submarino (SLBM), uma tecnologia disponível apenas em um punhado de países.

Conselho da ONU se reunirá para falar sobre Coreia do Norte

O Conselho de Segurança da ONU, a pedido de Estados Unidos, França e Reino Unido, se reunirá em caráter de urgência nesta quinta-feira (30) para discutir a situação na Coreia do Norte, que acaba de lançar um míssil hipersônico, informaram nesta quarta-feira fontes diplomáticas.

Essa sessão será celebrada a princípio na manhã de quinta-feira a portas fechadas, disse à AFP uma fonte, que não informou se o evento terminará com uma declaração conjunta do Conselho de Segurança.