O empresário bolsonarista Luciano Hang foi ouvido pela CPI da Covid nesta quarta-feira, 29, numa sessão tumultuada e que chegou a ser interrompida após bate-boca entre senadores, depoente e seus advogados. Hang negou participação na fraude do atestado de óbito da mãe, Regina Hang. Ele disse ter achado “estranho” não haver menção à Covid no atestado e atribuiu a um “erro” do funcionário da Prevent Senior. “Fique sabendo através da CPI que tanto o atestado quanto o prontuário da minha mãe foi pego e que lá não constava Covid. Sou leigo, não sei o que tem que botar no atestado de óbito”, ressaltou.

Hang também negou ter participado de reuniões com o presidente Jair Bolsonaro para tratar da pandemia. Em uma transmissão ao vivo pela internet no início do ano, o empresário pressionou o governo a liberar a aquisição de vacinas para a iniciativa privada. Ele também afirmou não ter levado demandas do setor empresarial ao presidente.

Age monstruosamente

Num dos momentos tensos, o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que Hang “age monstruosamente” ao propagar notícias falsas a respeito da pandemia do novo coronavírus. Isso ocorreu após a exibição de um vídeo no qual o empresário questionou os números de mortes em decorrência da Covid-19 e afirmou que deputados invadiram hospitais de campanha e que eles estavam vazios, diferente do que seria noticiado pela mídia. Então convida para uma transmissão ao vivo, com o tema “A verdade por trás dos números”. “Isso é monstruoso, é monstruoso. Você age monstruosamente”, reagiu Aziz.

A primeira parte do depoimento do empresário foi tumultuada. Diversas interrupções, de senadores favoráveis e contrários ao governo, marcaram a oitiva, desde a intervenção inicial do depoente às primeiras perguntas do relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan e apoiador do governo Bolsonaro, é acusado de pertencer ao chamado “gabinete paralelo”, grupo que atuou informalmente junto ao Ministério da Saúde nas decisões relacionadas ao combate à pandemia. Esse grupo é acusado de contribuir para a disseminação de fake news sobre a doença, de promover tratamentos sem comprovação científica e defender a “imunidade de rebanho” em detrimento do distanciamento social e da vacinação em massa.

Diz que não é negacionista

Em sua fala inicial, Hang rejeitou a pecha de “negacionista” e disse ser favorável à vacina. Afirmou que a CPI desrespeitou a memória de sua mãe, Regina, que morreu de covid em fevereiro, em hospital da empresa Prevent Senior, investigada pela comissão. O presidente da CPI, senador Omar Aziz, negou ter havido desrespeito e observou que foi o próprio depoente o primeiro a mencionar a morte da mãe nas redes sociais, para defender o controvertido “tratamento precoce” contra o coronavírus.

Respondendo às perguntas iniciais de Renan Calheiros, Luciano Hang admitiu possuir contas no exterior e empresas offshore, ressalvando que todas estão declaradas à Receita Federal. Perguntado se recebeu benefícios fiscais, Hang disse que a Havan tem negócios em quase todo o país, e que em alguns estados e municípios sua empresa faz jus a benefícios por lei.

Hang negou ter recebido financiamento de instituições públicas, como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O empresário reconheceu, no entanto, ter recorrido à Agência Especial de Financiamento Industrial (Finame), subsidiária do BNDES, para comprar máquinas. “Na pandemia, bancos estatais chegaram a oferecer dinheiro para mim. Peguei do Bradesco, do Itaú, do Santander. Me ofereceram de outros bancos. Eu disse: ‘Na-na-ni-na-não’. Eu não vou pegar dinheiro de nenhum banco estatal, sob pena de lá na frente dizerem: ‘Olha só. Está sendo financiado com dinheiro público. Foi para isso que ele apoiou o presidente’. Não peguei um centavo”, afirmou.

Propaganda das empresas

Ao longo de toda a oitiva, senadores se queixaram do andamento dos trabalhos. Os opositores ao governo acusaram Hang de fazer propaganda de suas empresas e dar respostas sem relação com o objeto da CPI. Os governistas, como os senadores Marcos Rogério (DEM-RO), Jorginho Mello (PL-SC) e Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), acusaram o relator de ofender o depoente, ao fazer uma referência a “bobos da corte” que cortejam os poderosos; de cercear o direito de Hang responder como entendesse apropriado; e de fazer perguntas sem relação com a investigação.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) declarou ter sido ofendido por um dos dois advogados de Hang. Depois de prolongada discussão, o presidente da CPI, Omar Aziz, decidiu pela retirada do advogado e suspendeu a sessão. “O momento é de muita cautela, porque sabíamos que isso ia acontecer”, concluiu Omar, referindo-se à tumultuada oitiva. Na volta, o advogado se desculpou com Carvalho.