Ex-presidente do Banco Central no governo Lula, Henrique Meirelles diz que o petista está mal-informado sobre o teto de gastos — regra que limita o crescimento das despesas à inflação.

“O teto não impede políticas sociais; ao contrário: cria condições para o crescimento e para o país gastar melhor com as pessoas”, disse o economista.

Na avaliação de Meirelles, a medida foi fundamental para a retomada econômica depois da crise que atingiu o Brasil de 2015 a 2016.

Atualmente, Meirelles é secretário de Fazenda de São Paulo. Mas foi ele quem idealizou o teto de gastos quando era ministro da Fazenda do governo Michel Temer. A proposta foi aprovada pelo Congresso em 2016.

Depois que o texto foi aprovado, a taxa básica de juros despencou. Isso ajudou na retomada da economia nos anos subsequentes, avalia.

“Sua adoção resgatou a confiança no Brasil, diminuiu o risco país, o que gerou um custo menor da dívida pública, queda da inflação e dos juros, que chegaram ao menor nível da história”, disse.

Lula afirmou no Twitter que vai revogar a regra fiscal caso seja eleito presidente nas eleições de 2022. “A quem interessa o teto de gastos? Aos banqueiros? Ao sistema financeiro?”, questionou o petista. “Quando você dá 1 bilhão pra rico é investimento e quando você dá R$ 300 pro pobre é gasto?! Nós vamos revogar esse teto”.

Pela regra do teto, há um limite para as despesas federais primárias. Isto é, todos os gastos do governo, exceto o que é pago de juros e amortização das dívidas interna e externa. A medida define que essas despesas só podem aumentar no limite da inflação do ano anterior. Dessa forma, o crescimento real é igual a zero.