Cento e onze dos 139 municípios do Tocantins estão com decretos em vigência pela suspensão das aulas presenciais. O levantamento é da Associação Tocantinense de Municípios (ATM), em conjunto com a União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime/TO).

Em 18 de maio, cerca de 30 prefeitos se reuniram na sede da ATM, em Palmas, para discutir e deliberar uma decisão coletiva sobre a continuidade da suspensão das aulas presenciais.

A reunião ocorreu após Governo do Estado publicar, dias antes, decreto autorizando a retomada gradual das atividades educacionais, em âmbito público e privado, no estado do Tocantins. Na ocasião, os prefeitos decidiram pela continuidade das aulas remotas.

O presidente da ATM e prefeito de Talismã, Diogo Borges, disse que a decisão dos gestores municipais foi a mais sensata. “Já prevíamos que uma grande quantidade de municípios iria acompanhar nosso raciocínio de que não temos condições favoráveis para o retorno das aulas presenciais neste momento da pandemia”, disse.

Parte dos municípios já tinha decretos em andamento pela suspensão das aulas presenciais, outros expediram recentemente as normas nesse sentido. Os prefeitos entendem que ainda não é o momento para voltar as aulas presenciais, principalmente pelo fato de que os profissionais da educação ainda não foram totalmente vacinados.

“Temos a esperança de que com o início da campanha de vacinação em profissionais da educação, associada com as medidas de biossegurança preconizadas pelo Ministério da Educação, as aulas poderão retornar na modalidade presencial, de preferência no segundo semestre”, projeta o presidente da ATM.

Clique em: https://www.atm-to.org.br/media/28370d33b4ddc177473916d90a98c81b.pdf  e confira alista completa dos municípios com decretos em andamento pela suspensão das aulas presenciais.

AGRAVAMENTO DA PANDEMIA

Nesta semana, dois municípios do Tocantins decretaram lockdown em razão do agravamento da pandemia do novo coronavírus, com aumento de novos casos e óbitos. Em Araguaína, o lockdown será de cinco dias, de 3 a 7 de junho. Já em Pium, o prefeito Dr. Valdemir Barros (PSDB), que é medico, determinou o fechamento total da cidade por 10 dias (até 9 de junho).

Por AF Notícias