O presidente Jair Bolsonaro disse  que o ministro do STF [Supremo Tribunal Federal] Marco Aurélio Mello “debochou” da ação contra as medidas adotadas por governadores. A ação foi apresentada pelo chefe do Executivo por meio da AGU [Advocacia Geral da União]. Bolsonaro afirmou que um “ministro não pode prejulgar nada“.

Em entrevista à CNN Brasil, Marco Aurélio afirmou que a ação é uma “perda de tempo”. Em março, o ministro rejeitou uma ação de Bolsonaro que também mirou medidas de toque de recolher e de fechamento adotadas durante a pandemia por governadores. A  AGU apresentou no STF uma nova ação para suspender decretos dos governos de Pernambuco, Paraná e Rio Grande do Norte. O relator será o ministro Luís Roberto Barroso.

 “Mais uma vez entrei com uma ação no Supremo  para dar o direito sagrado de ir e vir e [o direito] ao trabalho de vocês. Não sei qual vai ser a decisão do Supremo no tocante a isso. Sei que o Marco Aurélio já debochou da ação. Um ministro não pode prejulgar nada“, declarou o presidente em conversa com apoiadores.

“Eu não sei por que – ele vai embora agora em julho está acabando o tempo dele, 75 anos – agir dessa maneira. Agora, quem segura o salário dele [é] a economia que eu segurei com as medidas mais variadas possíveis para que compensar as demissões que iam acontecer em massa“, afirmou.

A aposentadoria de Marco Aurélio Mello está prevista para 5 de julho, uma semana antes do limite para a aposentadoria compulsória, quando completará 75 anos. Bolsonaro deverá indicar um nome para o lugar do ministro.

Na conversa com apoiadores, Bolsonaro também citou que alguns estados continuam a praticar “toque de recolher” e “fechar comércio”. O presidente é contrário às medidas restritivas adotada para frear o contágio do novo coronavírus por conta do impacto econômico.

Os números da pandemia, contudo, indicam nova tendência de alta de casos. O país se aproxima da marca de 460 mil mortes pelo vírus e já registra mais de 16,5 milhões de casos positivos da doença desde o início da crise sanitária.