“Meu pai nunca me abandonou. Ele me salvou muitas vezes.”

É assim que Hunter Biden fala em entrevista à BBC de como sempre teve o apoio de seu pai, o hoje presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, durante alguns dos piores momentos de sua dependência em álcool e drogas.

 

Hunter Biden, de 51 anos, também abordou as críticas que ele e seu pai enfrentaram por seu trabalho na empresa de energia ucraniana Burisma.

 

Hunter era diretor do conselho de diretores do Burisma quando Joe Biden ainda era vice-presidente dos Estados Unidos e o homem de referência do governo Barack Obama nas relações com a Ucrânia.

‘Alvo de críticas’

Esses negócios fizeram dele um alvo frequente de críticas republicanas durante a campanha eleitoral de 2020 e estiveram no centro do primeiro julgamento de impeachment do ex-presidente Donald Trump.

 

O inquérito de impeachment centrou-se em uma conversa que Trump teve com o presidente da Ucrânia, na qual o americano parecia pressioná-lo a abrir uma investigação sobre os Bidens.

 

A ligação aconteceu logo depois que Trump bloqueou o envio de ajuda militar para a Ucrânia.

 

Embora tenha defendido suas qualificações para o cargo no Burisma, Hunter reconhece que “não havia percebido (…) o que essa situação criaria” nas demais pessoas.

 

“Sei que é difícil acreditar, em retrospecto, como pude ignorar isso”, disse Biden à BBC.

Ele acrescentou que para Burisma o sobrenome Biden “era ouro” e isso desempenhou um papel importante em sua nomeação para o conselho.

 

Embora nenhuma atividade criminosa dos Biden tenha sido comprovada, um alto funcionário do Departamento de Estado dos EUA expressou preocupação já em 2015 sobre um potencial conflito de interesses.

 

Uma investigação feita por legisladores republicanos no ano passado concluiu que o trabalho de Hunter Biden para a empresa ucraniana era “problemático”.

 

Mas concluiu que não havia evidências de que a política externa do país fosse influenciada por ele.

 

O relatório também argumentou que os parentes de Biden “lucraram com a vice-presidência de Joe Biden”.

 

O documento foi criticado pelo senador republicano de Utah, Mitt Romney, um dos maiores críticos de Trump no Congresso, que descreveu o relatório como um mero “exercício político”.

 

Biden reconheceu que o nome de seu pai havia “aberto portas que não seriam abertas para outras pessoas”.

 

Ele diz que isso foi “um privilégio e um fardo”.

 

Em seus comentários à BBC, que antecederam o lançamento de suas novas memórias, Beautiful Things, Biden disse que quis escrever sobre como “o amor de uma família” o salvou.

 

“E, você sabe, estamos passando por duas pandemias agora (…) há a pandemia de coronavírus e também há uma pandemia de dependência”, disse ele.

 

‘Um lugar realmente escuro’

A mãe e a irmã de Biden morreram em um acidente de carro em 1972, no qual Hunter e seu irmão Beau sobreviveram.

 

Na entrevista, ele falou sobre a ligação entre o trauma que sofreu e o vício em drogas e álcool.

 

“No centro de cada viciado está faltando alguma coisa, que eles acham que precisam preencher. Não dá para preencher com nada. E aí você fica entorpecido”, disse.

Ele disse que depois que seu irmão Beau morreu de câncer em 2015, “ele sucumbiu para um lugar realmente escuro”.

 

“Meu irmão tinha acabado de morrer, eu tinha me separado de minha esposa, estava em um apartamento sozinho e basicamente bebia para morrer. Foi horrível. Quer dizer, a dor faz coisas estranhas. E se você combinar isso com o vício, é algo realmente difícil de superar “, disse ele.

 

Ele acrescentou que embora sua luta contra o vício o tornasse alvo de tabloides e ataques políticos, isso era também algo com o qual as pessoas em todo o país podiam se identificar.

 

“Acho que o que as pessoas enxergam na família Biden é sua própria família. Acho que elas veem toda a tragédia na perda, mas veem todo o amor e sinceridade”, disse ele.

 

“E acho que eles veem que não somos muito diferentes das outras famílias”, acrescentou.

 

‘Uma história de esperança’

Depois de antecipar que Trump levantaria a questão de seu vício no primeiro debate eleitoral, Hunter Biden disse que tanto ele quanto seu pai “sabiam intuitivamente o que dizer”.

 

“Eu disse: ‘Pai, você sabe, esta é a nossa história. E é uma história de amor. É uma história de esperança. É uma história pela qual tantas pessoas estão passando agora. Basta falar com elas. Eu sei que a sua honestidade e a minha honestidade sobre nossa situação é o que eu acho que vai ecoar junto ao povo americano. ”

 

“Não foi um cálculo político, foi algo que veio do coração.”

Olhando para o futuro, Biden observa que o vício “nunca vai embora”, mas que muitos viciados “fizeram coisas incrivelmente brilhantes, ótimas e surpreendentes”.

 

“Já é hora de começarmos a ver o vício como um problema de saúde mental, ao invés de um problema ético ou moral”, disse ele.

 

Questionado sobre a possibilidade de seu pai se candidatar à reeleição aos 82 anos, ele afirmou: “Meu pai é mais jovem do que eu em capacidade física e mental. Não conheço ninguém que tenha mais energia.”