O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que a pasta analisa a distribuição do chamado “Kit covid” nas farmácias populares. O “kit” é composto por cloroquina, ivermectina e azitromicina. Em entrevista após sua posse o ministro falou que o tema está em discussão.

— Isso tá sendo discutido também no programa “Aqui tem Farmácia Popular”. Não só cloroquina, todos os medicamentos do kit covid estão sendo discutidos para distribuir na farmácia popular— disse.

A discussão interna do ministério a respeito da inclusão desses medicamentos nas farmácias populares foi revelada pelo jornal “O Estado de S. Paulo”.

Pazuello comentou ainda sobre a vacina contra a covid-19. Ele reafirmou que o governo espera a vacina de Oxford para janeiro do ano que vem e citou a possibilidade de recebê-la ainda antes.

— Esse é o nosso cronograma, é o que foi assinado. A nossa proposta é que haja ajuste no calendário positivamente, é uma proposta, está escrita dessa forma — disse, acrescentando:

— O cronograma assinado é a partir de janeiro, com possibilidade de antecipar caso os testes e a conclusão da vacina sejam antecipados.

Pazuello afirmou ainda que o ministério terá uma ordem de prioridade na vacinação, mas que a sequência ainda não foi definida. O ministro lembrou que o Brasil tem expertise na área.

— Não tem nada pronto ainda, mas eu adianto ainda que o plano nacional de imunização (PNI) é uma expertise do nosso país. Nós temos o maior plano de imunização do mundo em termo de área abrangida e efetivo — explicou.

Questionado se existia a possibilidade de vacinar os estudantes para as retomadas das aulas, Pazuello afirmou que espera que até janeiro as escolas já tenham voltado a funcionar.