Morreu no  domingo (16.mai.2021) às 8h20 o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), aos 41 anos. Ele estava internado desde 2 de maio no hospital Sírio-Libanês. Fazia tratamento desde 2019 contra um câncer na cárdia, entre o estômago e o esôfago. A doença se espalhou para o fígado e ossos.

Com a morte de Covas, o vice-prefeito da cidade, Ricardo Nunes (MDB), assume definitivamente a gestão de São Paulo. Já atua como prefeito interino desde o licenciamento do titular.

Na 6ª (14.mai.2021), às 19h30, boletim médico divulgado pela equipe do Sírio-Libanês indicava que o quadro clínico do prefeito já era considerado “irreversível”. Familiares e amigos estiveram no hospital para se despedir de Covas.

O tratamento contra o câncer levou Covas a se licenciar da Prefeitura de São Paulo em 2 de maio, menos de 6 meses depois de ser reeleito. Em nota, o prefeito afirmava que se afastaria por 30 dias para se dedicar “integralmente” ao tratamento. No dia seguinte, ele foi transferido para a UTI (unidade de terapia intensiva) e intubado depois de um sangramento no estômago. Horas depois, segundo o hospital, os equipamentos de intubação foram retirados. Na semana que se encerrou, Covas havia iniciado novo tratamento.

Eis a nota divulgada por sua assessoria:

NOTA DE FALECIMENTO BRUNO COVAS

O Prefeito de São Paulo Bruno Covas faleceu hoje às 08:20 em decorrência de um câncer da transição esôfago gástrica, com metástase ao diagnóstico, e suas complicações após longo período de tratamento.

Ele estava internado no Hospital Sírio-Libanês desde o dia 2 de maio, sob os cuidados das equipes médicas coordenadas pelo Prof. Dr. David Uip, Dr. Artur Katz, Dr. Tulio Eduardo Flesch Pfiffer, Prof. Dr. Raul Cutait e Prof. Dr. Roberto Kalil.

Dr. Luiz Francisco Cardoso – Diretor de Governança Clínica

Dr. Ângelo Fernandez – Diretor Clínico

TRAJETÓRIA

Bruno Covas foi ligado à política desde jovem. Aos 15 anos deixou Santos e foi morar com o avô, Mário Covas, no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo de São Paulo. Formado em economia pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica) e em direito pela USP (Universidade de São Paulo), filiou-se em 1997 ao PSDB, mesma legenda do avô.

Bruno Covas afirmava que o avô era a sua maior influência política. Na imagem, Bruno, Mário e Gustavo (irmão de Bruno) em ano desconhecidoReprodução/Campanha Bruno Covas 2020

Bruno Covas chegou a ser presidente da Juventude Tucana. Em 2004 se candidatou a vice-prefeito de Santos.

Foi eleito deputado estadual por São Paulo em 2006, reeleito em 2010. No ano seguinte, o então governador Geraldo Alckmin (PSDB) o convidou para ser secretário de Meio Ambiente, cargo que ocupou até 2014, quando disputou a eleição para deputado federal.

Na Câmara, em 2016, Covas votou de forma favorável ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Também foi favorável à emenda constitucional que limita do teto de aumento dos gastos públicos.

Depois disso, Covas se licenciou da Câmara para concorrer à vice-prefeito de São Paulo em chapa com João Doria (PSDB). Eleito, acumulou os cargos de secretário das Prefeituras Regionais e da Casa Civil da cidade em 2017.

Em 2018, Doria deixou o cargo para concorrer à vaga de governador do Estado de São Paulo. Com a vitória do colega do PSDB, Covas assumiu a prefeitura da cidade mais populosa do Brasil.

Covas foi diagnosticado com câncer em outubro de 2019, depois de fazer um exame para investigar uma infecção. Ele foi internado pela 1ª vez no mesmo mês e iniciou o tratamento com sessões de quimioterapia e imunoterapia.

Durante a pandemia, o prefeito foi diagnosticado com covid-19. Ele trabalhou de casa e conseguiu se recuperar depois de duas semanas.

Covas se candidatou à reeleição em 2020. Venceu a disputa contra Guilherme Boulos (Psol), no 2º turno, com 59,38% dos votos.

A campanha do tucano foi pautada em sua luta contra o câncer e no enfrentamento da pandemia de covid-19. No 2º turno, passou a fazer discurso que destacava sua experiência na gestão pública. Era um contraponto a Boulos, que nunca teve mandato.

Bruno Covas, ao centro, no dia em que foi reeleito prefeito de São Paulo (29.nov.2020); na foto, está acompanhado de João Doria (esq.) e Orlando Morando, prefeito de São Bernardo do CampoDivulgação

PIORA NA SAÚDE

Em janeiro de 2021, já reeleito, o prefeito anunciou que seu tratamento contra o câncer iniciaria uma nova fase. Tirou  licença de 10 dias para dar continuidade ao tratamento e se recuperar depois de 24 sessões diárias de radioterapia.

Depois de exames de imagem, em fevereiro deste ano, Covas descobriu que os nódulos na área de seu estômago tinham sido controlados. Mas os exames mostraram que o câncer se espalhou para o fígado. O tratamento do prefeito precisou ser reforçado com sessões de quimioterapia a cada 15 dias.

Já em abril, a equipe médica do prefeito informou que tinha diagnosticado novos pontos de câncer, desta vez nos ossos. Em 15 de abril, ele foi internado para ser acompanhado pelos médicos. Durante a internação, foi identificado líquido nos pulmões e no abdômen do prefeito.

Em 26 de abril, Covas utilizou suas redes sociais para afirmar que iria “enfrentar, combater e vencer” a doença. Em seu perfil no Instagram, ele publicou uma imagem de seu filho, Tomás, de 15 anos, e escreveu: “Enfrentar, combater e vencer. A luta pela vida continua, e com você ao meu lado, a vontade de vencer é gigante. Obrigado por estar sempre aqui, filho. Eu te amo”.

Em 27 de abril, ele chegou a ter alta do hospital e comemorou: “Mais uma vitória entre muitas batalhas“. Covas continuaria o tratamento em casa. Mas 5 dias depois, no domingo (2.mai), o prefeito precisou ser internado novamente.