O MP-MA (Ministério Público do Maranhão) denunciou o deputado Júnior Lourenço (PL-MA) e outras 24 pessoas por fraude em licitação, peculato e organização criminosa envolvendo a prefeitura de Miranda do Norte, no Maranhão. O pedido foi encaminhado ao juiz Francisco Ronaldo Maciel Oliveira, da 1ª Vara Criminal de São Luís.

Além do deputado, que é ex-prefeito da cidade, foram denunciados Carlos Eduardo Fonseca Belfort, também ex-prefeito de Miranda do Norte, os empresários Tiago Val Quintan Pinto Frazão, Bruno Val Quintan de Menezes, Paulo Ricardo Nogueira Ayres Val Quintan e outras 20 pessoas, incluindo servidores e secretários da prefeitura.

O MP pede o pagamento de R$ 22 milhões como reparação aos cofres públicos e a perda dos cargos e do mandato dos envolvidos.

De acordo com os promotores, foram identificados esquemas de desvio de dinheiro na Prefeitura de Miranda do Norte, durante as gestões de Lourenço (2009-2016) e de Belfort (2017-2020). A investigação começou depois de denúncia do TCU (Tribunal de Contas da União).

O deputado Júnior Lourenço foi um dos alvos da Operação Laços de Família, deflagrada no dia 15 de abril. Na ocasião, foram cumpridos 32 mandados de busca e apreensão em São Luís, Paço do Lumiar, São José de Ribamar, Miranda do Norte e Bom Jardim.

“Desde 2009, primeiro ano do mandato do ex-prefeito Júnior Lourenço, foi constituída, de modo permanente e ordenado, uma organização criminosa com ramificações dentro do município de Miranda do Norte com o objetivo de obter, direta e indiretamente, vantagens indevidas por meio das práticas de crimes licitatórios e crimes contra a Administração Pública”, diz um trecho da denúncia.