Os políticos brasileiros vivem um momento de extrema falta de credibilidade diante do eleitorado. São poucos os que se salvam em um oceano de denúncias de corrupção, da falta do respeito com a coisa pública e muito pela incapacidade de transmitir confiança para aqueles que lhes conferem o voto e a representação da população nas esferas municipais, estaduais e no âmbito nacional.

Diante de tanta desesperança em relação aos atuais políticos, entusiastas do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal que Joaquim Barbosa seja o candidato à presidência da República nas próximas eleições.

O nome de Joaquim Barbosa pode ser um alento em meio ao caos em que se encontra o cenário político nacional, no qual um ex-presidente pode ser impedido de se candidatar e até mesmo ser preso por supostos crimes de corrupção. Resta saber como seria o comportamento do ex-magistrado no comando do país ao ter que negociar com um congresso que deverá reeleger boa parte dos que esvaziaram os cofres públicos. Teria Barbosa condições ter a governabilidade sem ter que se submeter aos desígnios dos deputados e senadores ou viraria mais um negociador como tantos outros?

Pela trajetória de vida de Joaquim Barbosa, homem negro, pobre e que por meio da educação chegou ao mais alto posto do judiciário, com nada que desabone sua conduta, pelo que sabemos, seria um nome a ser considerado para tal empreitada. Um homem do povo, com o conhecimento jurídico pleno e com a percepção de colocar uma equipe de técnicos que soubesse dar um caminho de desenvolvimento social e econômico que esse país tanto necessita. Fica a interrogação em torno do nome de Joaquim Barbosa que para ser candidato, se aceitar o desafio, terá que lidar com a primeira dificuldade: passar na convenção do partido (PSB), totalmente inclinado a apoiar o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB).

Com a prerrogativa do partido a apoiar Alckmin, dificilmente Barbosa iria tentar uma disputa por outro partido. Sendo assim, não saberemos como poderia ser um governo com um homem da justiça e com tanta proximidade com a história de milhões de brasileiros que buscam na educação uma vida melhor. Joaquim Barbosa é o exemplo daqueles que conseguiram com esforço e determinação chegar lá. A presidência poderia ser uma etapa para termos em seu exemplo um país com méritos para quem busca pelo esforço e não pelo caminho das facilidades. Seria interessante esse contraste entre o atual sistema político e o que Joaquim Barbosa poderia propor. A imaginar.