Discreta, de poucas palavras e dona de uma fé inabalável. É assim que Analine Castro e Silva é descrita por quem a conhece. Desde a última sexta-feira, 28, ela é a primeira-dama interina do Estado do Rio. O marido, Claudio Castro, eleito vice-governador na candidatura Wilson Witzel, assumiu o cargo em meio a uma investigação do Ministério Público, que afastou o governador e sua mulher, Helena Witzel, por suspeita de corrupção.

Aos 38 anos, a taurina Analine teve pouca ou quase nenhuma participação nos cerca de dois anos de governo Witzel. O que se conta nos bastidores é que a publicitária de formação aguardava um chamado de Helena para ser mais participativa, já que, como todas as outras segundas-damas que já passaram pelo Estado, deveria presidir e tocar o Riosolidário. Mas, ao que parece, a advogada mulher de Witzel não desejava dividir as funções e, consequentemente, os holofotes.

Não fez diferença para Analine, que pouco foi ao Palácio Guanabara neste período. Quando os projetos pertenciam a Claudio Castro, ela estava sempre presente. Não é de hoje. Os dois estão juntos desde a adolescência, quando se conheceram num dos grupos de jovens da igreja católica carismática. Claudio cantava, chegou a gravar participação em CD, e Analine o acompanhava. Apaixonados, se casaram em 2006, como manda a tradição apostólica romana e, não raramente, Claudio faz homenagens e declarações de amor à eterna namorada nas redes sociais. As dela são estrategicamente trancadas.

O casal tem um menino e uma menina e frequenta a missa todos os domingos. Também estreitaram laços na política desde cedo. A atual primeira-dama foi assessora na Assembleia Legislativa durante vários anos. Só foi exonerada em julho de 2018, antes de Claudio compor a chapa de Witzel. Além de frequentar os gabinetes da Alerj, Analine chegou a se aventurar na confeitaria e fazia bolos para vender. Caseiros, de pouca ostentação, Analine e Claudio levam uma vida longe das badalações e não perdem eventos católicos. Bem como jogos no Maracanã, onde estavam frequentemente torcendo pelo Flamengo antes da pandemia.