A queniana Grace viu num grupo de WhatsApp uma oferta de trabalho na Índia. Como o dinheiro era bom, ela topou.

“Eu segui em frente”, conta Grace, que é cantora, música, atriz e dançarina.

O que ela não sabia é que estava sendo enganada por uma rede de tráfico sexual entre África e Índia.

Quando Gracie chegou a Nova Déli, a capital indiana, ela foi levada direto a um bordel. O seu passaporte foi confiscado por uma mulher chamada Goldie, que então cobrou uma dívida de US$ 4 mil pela viagem até o país.

O valor era sete vezes maior do que o de uma passagem regular entre Quênia e Índia. E só havia uma forma de quitar a dívida: prostituição.

“Prostituição é algo que tinha decidido que não faria. Nas minhas orações, pedia a Deus que isso fosse a última coisa que eu fizesse na minha vida”, disse Grace à BBC.

Por 5 meses, ela morou num quarto com outras 4 mulheres. Para atrair clientes, iam a bares ilegais na cidade, chamados de “cozinha”, frequentados por homens africanos que trabalham na Índia.

Durante a investigação da BBC Africa Eye, Grace topou usar uma câmera escondida para mostrar o esquema de tráfico sexual.

Em um encontro com um dos apontados como “chefe” da rede, chamado Eddie Anideh, Grace foi convidada a “importar” uma mulher queniana para trabalhar para ela.

É assim que a rede cresce: mulheres pagam suas dívidas como prostitutas, mas depois, sem opções de emprego, passam a atuar como cafetinas.

Em contato com a BBC, Anideh negou participação no esquema. Goldie não respondeu às acusações.

Com a ajuda da BBC Africa Eye, Grave voltou ao Quênia.