Dean Turner e Lynda Easton são um casal atual, mas que vive como há 80 anos.

A casa deles está cheia de objetos e móveis da Segunda Guerra Mundial, e eles se vestem seguindo a moda da década de 1940, sua favorita.

Antes de tomar a decisão de fazer essa viagem no tempo, ambos participavam de eventos vintage.

Então, se interessaram pela ideia de “retornar” à Grã Bretanha do período da guerra, em vez de viver uma vida mais “moderna”, que correspondesse à atualidade.

“Creio que isso nos transporta de novo a uma época em que todos uniam esforços pelo bem comum”, disse Dean Turner à BBC.

“Hoje, ouvimos muitos relatos [no Reino Unido] de delitos com armas brancas e gente que tem medo de sair de casa à noite.”

“Mas naquela época, ainda que houvesse uma guerra, todos trabalhavam juntos e somavam forças.”

Outros motivos

Lynda Easton tem outros motivos para escolher o período.

“Não me sinto ‘normal’ se não me visto assim”, conta à BBC. “Me sinto mais ‘eu.'”

“Quando vamos ao shopping, quando vamos ao cinema, as pessoas param para olhar”, continua.

“Elas conversam entre si e depois se aproximam pra dizer que eu pareço com uma de suas tias.”

Dean compartilha o mesmo passatempo. “Nós vamos a eventos vintage e vemos as pessoas vestidas como em outra época, como anos 20, 30, 40… E as roupas são fantásticas”, diz ele.

“Quando vi isso, pensei que era algo que gostaria muito de fazer.”

Ele também reconhece que os dois chamam a atenção e que muita gente se aproxima porque “gosta do look”.

Ataques aéreos

A vida retrô do casal vai além das paredes de sua casa.

No jardim, é possível encontrar um vaso com os dizeres “Dig for Victory” (Cave para a Vitória), uma campanha do Ministério da Agricultura britânico durante a Segunda Guerra Mundial para que os cidadãos cultivassem seus próprios alimentos em tempos de escassez.

Também há instrumentos antigos usados para o cultivo e uma sirene para alertar sobre ataques aéreos.

O barulho soa bastante incômodo, mas o que pensam os vizinhos a respeito?

“Ninguém reclamou até hoje”, afirma Dean.

“Suponho que eles não se importem”, acrescenta, com um sorriso.

“Estou agora em um momento em que acho que não deveríamos julgar uns aos outros, estou acima disso”, disse.

“E não me incomoda que as pessoas digam o que pensam.”