A arremessadora de peso chinesa Gong Lijiao se tornou um dos assuntos mais discutidos nas redes sociais de seu país, não exatamente por causa de seu ouro olímpico em Tóquio.

Durante uma entrevista que concedeu à imprensa estatal chinesa, uma jornalista não apenas descreveu a atleta como uma “mulher viril”, como também perguntou quando ela se casaria e se teria filhos.

O episódio provocou reações furiosas nas redes sociais, entre aqueles que consideraram as questões como “sexistas” e “tacanhas”.

“O casamento é o único tema que se pode falar com as mulheres?”, alguns perguntaram.

Para muitos, a entrevista foi uma amostra dos preconceitos existentes em relação às mulheres na sociedade chinesa, bem como dos ideais obsoletos de beleza e feminilidade.

A entrevista começa com uma repórter da CCTV dizendo para a câmera: “Gong me deu a impressão de ser uma mulher viril.”

Então, a reportagem passa para uma conversa com a atleta:

Gong: Posso parecer uma mulher viril por fora, mas por dentro sou uma menina.

Repórter de CCTV: Você tem um plano de vida como mulher?

Gong: (surpresa) Vida como mulher?

Outra repórter: Já que você tinha de ser uma mulher viril para o arremesso de peso, sente que a partir de agora pode ser mais você mesma?

Gong: Hum… Talvez, veja meus planos: se eu não treinar, posso perder peso, me casar e ter filhos. Sim, é o caminho que se deve seguir na vida.

Gong é então questionada se tem um namorado, que tipo de homem está procurando e se brigaria com seu parceiro.

A entrevista termina com a atleta rindo e dizendo: “Eu não brigo. Sou muito gentil.”

Reações

Milhares de pessoas nas redes sociais criticaram as perguntas feitas a Gong, e a hashtag de casamento na rede social Weibo, uma espécie de Twitter chinês, teve mais de 300 milhões de visualizações.

“Ela ganhou uma medalha de ouro olímpica e ainda assim não consegue calar esse grupo de mulheres intrometidas”, reclamou um comentarista no site de resenhas de Douban.

Outros disseram que as perguntas eram discriminatórias e constrangeram Gong.

No Weibo, uma caricatura zombando das perguntas das jornalistas se tornou viral.

Muitos se solidarizaram a Gong, deixando centenas de mensagens de apoio em sua página do Weibo.

“Não é que você não possa se casar […] mas quando falamos de mulheres, não se trata apenas de casamento ou aparência, mas também de sonhos e conquistas”, diz um post na rede social.

A própria Gong respondeu ao post dizendo: “Isso expressa totalmente o que sinto! Obrigada!”

Os padrões de beleza chineses, que valorizam especialmente as mulheres magras, também têm sido tema de debate nos últimos anos, em um país que está passando por uma explosão no número de cirurgias plásticas.