Julho chegou. E com ele o sol, o vento e o desejo de passar os finais de semana à beira de um córrego, rio ou lago. No entanto, desta vez a palavra de ordem é cautela. Isso porque se vive em uma pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19), desde 2020, e que gerou uma das mais graves crises sanitárias da história recente da humanidade.

Segundo explicou a diretora de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), Marta Maria Malheiros Alves, as recomendações de distanciamento social, higienização constante das mãos com água e sabão ou álcool 70ºC, uso de máscara e evitar aglomeração, ainda, são as medidas mais eficientes de manter a Covid afastada, minimizando os riscos de adoecimento e morte.

“Estamos trabalhando muito para acelerar a vacinação de toda a população, que é a forma mais eficiente de combate a doença. Porém, enquanto não tivermos vacinado o mínimo de 70% da população com as duas doses do imunizante não podemos abrir mãos das recomendações de prevenção à Covid-19”, orientou Marta.

Ela lembra que a principal forma de transmissão do vírus se dá por gotículas de saliva que são expelidas pela respiração e/ou fala e que podem ficar depositadas em objetos, superfícies, roupas, dentre outras. “Por isso é tão necessário o uso de máscara e a constante higienização das mãos, considerando que costumamos levar as mãos aos olhos, boca e nariz com muita facilidade e muitas vezes sem perceber”, diz a diretora, acrescentando ainda que normalmente nas idas à praia, especialmente nos períodos de temporadas, são comuns as reuniões de muitas pessoas, o compartilhamento de objetos, e isso pode acelerar a transmissão do vírus. “Estamos conseguindo lentamente desafogar um pouco as unidades de saúde e leitos hospitalares, mas muitas famílias perderam entes queridos ou sofreram com algum de seus membros doentes e é esta situação que estamos tentando evitar”, disse ela.

Marta lembrou ainda, que a pandemia é um período atípico e superá-la demanda renúncia e sacrifícios de todos. “Quanto mais rápido conseguirmos controlar esta doença, mais rápido poderemos retomar nossas rotinas. Então vamos evitar as saídas e frequentar ambientes sem aglomerações. E quem sabe no próximo ano poderemos aproveitar as praias e outras ocasiões de confraternização com mais tranquilidade”, finalizou.

Já a recomendação da Diretoria de Fiscalização de Obras e Postura, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano Serviços Regionais (Sedurs), responsável por fiscalizar o cumprimento dos decretos municipais de prevenção ao Coronavírus, sugere às famílias que optarem por ir às praias para priorizarem os quiosques que seguem as normas sanitárias recomendadas pelas autoridades de saúde, e que cumpram as regras de distanciamento mínimo de dois metros entre as mesas, e esteja com no máximo 50% da sua capacidade de lotação.

“Também é importante observar se o estabelecimento oferece condições de higienização para as mãos, disponibilizando álcool em gel e ainda pias com água corrente e sabão”, lembra o diretor de Obras e Posturas, Adriano Parrião.