A pandemia de covid-19 continua provocando a maior retração econômica global desde a Grande Depressão, informa o Relatório de Estabilidade Financeira divulgado há pouco pelo Banco Central. No ambiente doméstico, a pandemia interrompeu a tendência de recuperação gradual da economia, com um recuo significativo do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre e um declínio sem precedentes no segundo trimestre de 2020.

Nesse cenário, a economia brasileira tem operado com a menor taxa básica de juros desde o lançamento do real, pontua a autoridade monetária. “Em análise ampla, pode gerar aumento da volatilidade de preços de ativos e afetar a dinâmica do sistema financeiro e do mercado de capitais.”

A ação tempestiva do governo por meio do Conselho Monetário Nacional (CMN) e do BC reforçaram as condições de resiliência do Sistema Financeiro Nacional (SFN) para enfrentar o aumento do risco à estabilidade financeira, decorrente da covid-19, aponta o relatório.

“Com isso, os mercados financeiros funcionaram adequadamente, e o balanço do sistema bancário cresceu consideravelmente no primeiro semestre de 2020, com elevado volume de captações e suprimento de crédito para a economia real no ritmo mais acelerado dos últimos cinco anos.”