Pesquisa Datafolha divulgada pela TV Globo e pelo jornal “Folha de S. Paulo” aponta os seguintes percentuais de intenção de voto para o segundo turno das Eleições 2020 para a Prefeitura de São Paulo:

Bruno Covas (PSDB): 48%

Guilherme Boulos (PSOL): 35%

Branco/nulo: 13%

Não sabe/não respondeu: 4%

Datafolha SP: 49% dos eleitores dizem que França deveria apoiar Covas no 2º turno; 38%, Boulos

Votos válidos

Para calcular os votos válidos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição. Para vencer no 2º turno, um candidato precisa de 50% dos votos válidos mais um voto.

Bruno Covas: 58%

Guilherme Boulos: 42%

Destaque por segmento

Boulos fica numericamente à frente do tucano entre os mais jovens, de 16 a 24 anos (46% a 31%) e na faixa seguinte, de 25 a 34 anos (44% a 38%), nesta última dentro da margem de erro. Nos demais segmentos socioeconômicos relevantes do eleitorado, Covas tem vantagem, ou ao menos se posiciona numericamente à frente do adversário, com distância mais ampla entre eleitores acima de 60 anos (65% a 23%) , menos escolarizados (59% a 28%), católicos (53% a 32%) e evangélicos (52% a 29%). No eleitorado com curso superior, há empate, com o tucano pontuando a frente (44% a 39%).

Na parcela do eleitorado que votou no 3º colocado no 1º turno, Márcio França (PSB), 38% agora pretendem votar no candidato do PSDB e outros 38% em Boulos. No grupo que escolheu Celso Russomanno (Republicanos), a maioria (56%) declara voto em Covas, e 27% têm intenção de votar no candidato do PSOL. Entre eleitores de Arthur do Val (Patriota), 47% preferem o atual prefeito, 15% escolhem Boulos e 29% dizem que irão votar em branco ou anular no 2º turno. Entre os que votaram em Jilmar Tatto (PT), a maioria (72%) agora declara voto em Boulos, e 18% optam pela candidatura de Covas.

Decisão do voto

A pesquisa também perguntou o grau de decisão do voto: 81% dos eleitores estão totalmente decididos e 18% afirmam que ainda podem mudar. Veja o grau de decisão em relação a cada candidato:

Bruno Covas: 82% estão totalmente decididos; 18% ainda podem mudar o voto.

Guilherme Boulos: 82% estão totalmente decididos; 17% ainda podem mudar o voto.

Conhecimento do número do candidato

O número do candidato escolhido é conhecido por 65% dos paulistanos. Do total da amostra, 28% disseram que não sabem o número do candidato, 5% não sabem como anular e 3% informaram o número incorreto. Veja o percentual por candidato:

Bruno Covas (PSDB): 66% conhece (menção correta) e 34% não conhece (3% menção incorreta e 31% não sabe o número).

Guilherme Boulos (PSOL): 65% conhece (menção correta) e 35% não conhece (3% menção incorreta e 32% não sabe o número).

Motivos para não votar no 1º turno

A pesquisa também perguntou para os eleitores que não votaram no 1º turno por quais motivos eles não compareceram. Veja os percentuais:

Saúde/estava doente: 21%

Desinteresse pela eleição/pelos candidatos/não tinha candidato: 19%

Viagem/não estava na cidade: 18%

Perdeu o título de eleitor/título suspenso: 11%

Estava trabalhando/trabalhou no dia: 10%

Local de votação é muito longe/distância: 6%

Pandemia/medo da pandemia/cuidado com a pandemia: 5%

Estava com Covid-19: 2%

Outros motivos: 10%

Não costuma votar: 2%

Não sabe: 1%

Momento da decisão do voto no 1º turno

O levantamento também questionou em que momento o eleitor decidiu seu voto para prefeito no primeiro turno. Veja os percentuais:

Pelo menos um mês antes da eleição: 56%

15 dias antes da eleição: 14%

Uma semana antes da eleição: 12%

Na véspera da eleição: 5%

No próprio dia da eleição: 12%

Outras respostas: 2%

Veja o percentual por candidato:

Bruno Covas: 58% pelo menos um mês antes da eleição; 14% quinze dias antes da eleição; 12% uma semana antes da eleição; 4% na véspera da eleição; 12% no próprio dia da eleição; 1% outras respostas.

Guilherme Boulos: 64% pelo menos um mês antes da eleição; 14% quinze dias antes da eleição; 13% uma semana antes da eleição; 4% na véspera da eleição; 5% no próprio dia da eleição; 1% outras respostas.

Márcio França: 56% pelo menos um mês antes da eleição; 15% quinze dias antes da eleição; 12% uma semana antes da eleição; 3% na véspera da eleição; 13% no próprio dia da eleição; 1% outras respostas.

Celso Russomanno: 54% pelo menos um mês antes da eleição; 20% quinze dias antes da eleição; 7% uma semana antes da eleição; 6% na véspera da eleição; 13% no próprio dia da eleição; 0% outras respostas.

Jilmar Tatto: 55% pelo menos um mês antes da eleição; 10% quinze dias antes da eleição; 5% uma semana antes da eleição; 13% na véspera da eleição; 16% no próprio dia da eleição; 0% outras respostas.

Sobre a pesquisa

Levantamento foi feito entre os dias 17 e 18 de novembro e ouviu 1.254 pessoas na cidade de São Paulo.

Margem de erro: 3 pontos percentuais para mais ou para menos;

Quem foi ouvido: 1.254 eleitores da cidade de São Paulo;

Quando a pesquisa foi feita: entre os dias 17 e 18 de novembro de 2020;

Número de identificação na Justiça Eleitoral: SP-03437/2020

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal “Folha de S. Paulo”;

O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro.