A direção da Polícia Federal decidiu substituir o superintendente regional do Amazonas, delegado Alexandre Saraiva, que enviou ao STF (Supremo Tribunal Federal) um pedido de investigação contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, na 4ª feira (14.abr). A informação é do jornal Folha de S.Paulo.

Segundo notícia-crime assinada por Saraiva, Salles teria atuado para obstruir uma investigação que culminou em apreensão histórica de madeira ilegal. Seriam três delitos cometidos pelo ministro: dificultar a ação fiscalizadora do poder público no meio ambiente, exercer advocacia administrativa e integrar organização criminosa. O documento diz ainda que ele “patrocina diretamente interesses privados e ilegítimos perante a administração pública”.

O superintendente só teria feito o pedido de investigação após informado de sua saída do cargo, segundo apuração do jornal O Globo.

Salles e Saraiva trocam críticas há algum tempo sobre a apreensão recorde de madeira ilegal, que recolheu aproximadamente 200 mil metros cúbicos. Em abril, o superintendente do Amazonas mandou um recado a Salles. “Na Polícia Federal não vai passar boiada”, declarou, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.