O piloto do avião que caiu no domingo (24) com integrantes do Palmas Futebol e Regatas tinha mais de 30 anos de experiência em aviação. Wagner Machado, de 59 anos, morava em Goiânia (GO), mas segundo um amigo que esteve no local do acidente, constantemente estava fazendo viagens no Tocantins. O acidente deixou seis mortos.

“É um grande amigo meu, tinha muitos anos de experiência. Eu estou aqui muito chocado e difícil falar no momento dessa cena tão triste. Realmente estou chocado e procurando saber o que houve, se foi uma parada de motor, se foi cabo de comando. Sei que estou muito chocado com essa perda desse amigo meu”, disse o comandante Maracaípe, que também é piloto.

O comandante Wagner era casado e tinha filhos. O corpo segue no IML de Palmas aguardando liberação pelos parentes. Ainda não há informação sobre o enterro e velório.

A queda do avião foi logo após a decolagem, por volta das 8h30 deste domingo (24). Os relatos das testemunhas indicam que o choque com o solo foi segundos após a tentativa de levantar voo e que logo em seguida houve explosões.

“O pessoal que já estava aqui no local  e acompanhou, inclusive, a ocorrência, relatou que aconteceram duas explosões, provavelmente referentes a explosão dos tanques de combustíveis nas asas. Quando nós chegamos encontramos a aeronave ainda em chamas, mas em um volume bem menor”, contou a coronel Andreya de Fátima, do Corpo de Bombeiros.

A pista de onde o avião ia decolar é particular e pertence à Associação Tocantinense de Aviação (ATA). O local é no território do distrito de Luzimangues, em Porto Nacional, a aproximadamente 25 quilômetros de Palmas. A queda da aeronave foi a aproximadamente 500 metros da cabeceira da pista.

O comandante Maracaípe disse acreditar que possa ter ocorrido alguma falha mecânica. “Com toda certeza foi uma falha mecânica. Tinha muitos anos de experiência, mais de 30 anos de experiência”, disse.

Ainda não há informações sobre o que pode ter causado o acidente. Uma equipe do Sexto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA VI), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), localizado em Brasília (DF) foi acionada. Não há previsão de quanto tempo a apuração do caso deve levar. As informações são do G1 Tocantins.