A prefeita de Rochester, no estado de Nova York, demitiu  o chefe da polícia da cidade após considerar que as autoridades locais “não levaram a sério” o caso Daniel Prude — homem negro morto após ação policial em que teve um capuz colocado sobre sua cabeça.

Le’Ron Singletary já havia anunciado que se retiraria do cargo, na semana passada. Porém, a decisão da prefeita Lovely Warren o remove da chefia da polícia de vez, sem que ele complete o restante do mês na posição. Outros dois assessores da equipe da prefeitura foram suspensos sem pagamento de salário por 30 dias.

“Essa observação inicial mostrou o que muitos suspeitavam: temos um problema recorrente no Departamento de Polícia de Rochester”, disse a prefeita em um pronunciamento.

“Mostra que a morte de Prude não foi levada a sério como deveria ter sido levada por aqueles que analisaram o caso em todos os níveis do governo da cidade”, criticou Warren.

Demora na resolução do caso

A ação que terminou na morte de Prude ocorreu em uma noite de neve em março. Porém, só em agosto o caso veio à tona, quando a família do homem morto divulgou um vídeo da abordagem feito pelas câmeras dos próprios policiais.

Prude estava na cidade para visitar a família. Ele sofria de crises mentais e passava por tratamento — inclusive, foi atendido em uma clínica no mesmo dia da ação policial.

A abordagem nas ruas de Rochester ocorreu momentos depois de um irmão ligar para os serviços de emergência para avisar que Prude saiu de casa em situação de surto. Segundo a família, eles queriam que as equipes o socorressem, e não o abordassem como um suspeito.

Somente após a divulgação do vídeo, os policiais envolvidos na ação foram afastados. As imagens foram ao ar em um momento de tensão nos EUA motivada pela violência policial e pelo racismo, com protestos por todo o país.