O prefeito de Colinas do Tocantins, Josemar Carlos Kasarin (PSL), decidiu aderir ao movimento iniciado pelo município de Araguaína e decretar lockdown na cidade. O texto proíbe a circulação de pessoas, atividades não essenciais e até o transporte coletivo. A medida vai valer entre os dias 3 e 6 de junho.

Segundo o município a decisão foi tomada porque os pacientes de Colinas necessitam das UTIs públicas disponíveis em Araguaína, que mantém alta taxa de ocupação. Nesta quarta-feira (2) pelo menos outros três municípios da região norte do estado também aderiram ao lockdown: Filadélfia, Babaçulândia e Santa Fé do Araguaia.

O decreto publicado por Colinas do Tocantins proíbe a circulação fora dos casos de força maior e qualquer reunião de pessoas que não habitem a mesma casa. A venda de bebida alcóolica e consumo em locais públicos também estão proibidos.

Durante o período de vigência do decreto ficam suspensos os serviços de transporte público coletivo, aulas presenciais em instituições públicas e particulares, assim como o atendimento nas secretarias municipais, com exceção dos essenciais relacionados à pandemia.

Também está suspenso o atendimento presencial ao público em estabelecimentos bancários, comerciais em geral, bares, restaurantes e serviços de contabilidade, cartórios, lotéricas, entre outros. Ficam suspensas ainda as missas e cultos presenciais.

Confira o decreto completo e as atividades que podem funcionar.

Segundo o município, quem desobedecer as medidas poderá ser multado em até R$ 1 mil. Durante o período do lockdown a prefeitura e o Corpo de Bombeiros vão fazer a sanitizacão de ambientes na cidade.

Após o fim do confinamento voltarão a valer as medidas que estão em vigor até esta quarta-feira (2), determinadas pelo decreto n° 32/2021. Entre elas, o toque de recolher das 22h às 6h, a proibição ao consumo de bebidas alcoólicas em espaços públicos e a realização de eventos, shows e festas.

Por  G1 Tocantins.