A  Prefeitura de Palmas e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-TO) firmaram parceria para implantação da iniciativa ‘Cidade Empreendedora’’. Desenvolvido pelo Sebrae nacional, o programa propõe a transformação dos municípios, conectado com estratégias já desenvolvidas pela instituição, que visam direcionar, acelerar e sustentar o processo de desenvolvimento socioeconômico local com foco na melhora do ambiente de negócios, no fomento ao empreendedorismo e na promoção da competitividade empresarial.

O Termo de Adesão foi assinado pela prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro, pelo superintendente regional da instituição, Moisés Gomes, pelo presidente do Conselho deliberativo do Sebrae-TO, Rogério Ramos, e pela secretária de Desenvolvimento Econômico e Emprego (Sedem), Mila Jaber.

A prefeita reforçou o compromisso de sua gestão em desenvolver uma cidade empreendedora. “É no momento de crise que o município precisa levar socorro e respostas imediatas”. A gestora lembrou que ainda no ano passado, em meio a pandemia, o município juntamente com o Sebrae implantou a Sala do Empreendedor, em 12 de novembro, e até o momento já foram quase 15 mil atendimentos. Uma média de 110 atendimentos/ serviços diários.

Gomes ressaltou a importância da parceria para promover o desenvolvimento local, por meio da prática de políticas públicas de fomento aos empreendedores. “A pandemia veio com desafios para as pequenas empresas, e o Sebrae nacional decidiu adotar como bandeira o programa Cidade Empreendedora, para igualar a competição entre grandes e pequenos negócios.”

Cidade Empreendedora

É um programa de transformação dos municípios e se organiza em dez eixos de atuação. São eles: Gestão Municipal, Lideranças Locais, Desburocratização, Sala do Empreendedor, Compras Governamentais, Empreendedorismo na Escola, Inclusão Produtiva, Marketing Territorial e Setores Econômicos, Cooperativismo e Crédito, Inovação e Sustentabilidade.

Na visão do Sebrae, o desenvolvimento precisa acontecer em cada cidade do país, como saída para recuperar a economia e conferir dignidade, gerando mais empregos e renda, estimulando a formalização dos empreendimentos e, consequentemente, incrementando a arrecadação municipal para que haja retorno em benefícios aos cidadãos.

A proposta é preparar os municípios para gerar emprego, renda e oportunidades de negócios, destacando experiências para aumentar a agilidade para criação de pequenos negócios, capacitações para fortalecer o uso do poder de compra pública do município para dar preferência aos pequenos negócios locais e a aceleração da mudança, adaptando as empresas ao novo cenário pós pandemia.