Kyle Rittenhouse, o jovem de 17 anos preso e acusado  por homicídio doloso depois que duas pessoas foram mortas e uma terceira ficou gravemente ferida por tiros nas manifestações antirracistas em Kenosha, em Wisconsin, viajou para lá para, aparentemente, dar apoio a uma instituição que admirava: a polícia.

Segundo reportagem de Teo Armus para o “The Washington Post”, Rittenhouse cresceu nos subúrbios ao norte de Chicago e foi cadete de um programa de polícia mirim onde morava. Em suas redes sociais havia postagens com os dizeres Blue Lives Matter (Vidas Azuis Importam).

A frase é usada pelo contra-movimento que busca ressaltar a gravidade das mortes de policiais, em contraposição ao Black Lives Matter, que tem ênfase em denunciar a violência cometida pelas forças de segurança contra os americanos negros.

Conforme relata o “Post”, o jovem acusado de assassinato postou também vídeos em que aparece na primeira fila de um comício presidencial do republicano Donald Trump, além de publicar fotos em que aparece segurando armas.

No Wisconsin, a compra e porte de armas é permitida apenas para pessoas maiores de 21 anos. Um decreto municipal também impunha toque de recolher na cidade de Kenosha na noite em que os tiros foram disparados.

Vizinhos e representantes de instituições locais disseram ao jornal que o jovem abandonou o ensino médio e via os policiais como heróis e que ele teria viajado desde outro estado para oferecer seu apoio aos policiais locais durante a nova onda de protestos antirracistas em Wisconsin.

Segundo a publicação, ele se referia aos deveres dos policiais como se fossem seus também e decidiu pegar a estrada quando grande protestos, saques e incêndios eclodiram em Kenosha após os disparos contra Jacob Blake no domingo (23).

Em entrevista ao “Daily Caller”, pouco antes dos tiros, o acusado de matar dois manifestantes teria dito estar ali para proteger as pessoas.

“As pessoas estão se ferindo e nosso trabalho é protegê-las”, disse Kyle Rittenhouse.

No dia seguinte, os homens da lei que ele tanto admirava o prenderam em sua casa em Antioch, Illinois, próximo à fronteira com Wisconsin. Ele morava com sua mãe, Wendy Rittenhouse, uma auxiliar de enfermagem, em um tranquilo complexo de apartamentos a 30 km de Kenosha.

Há relatos de que integrantes armados de milícias e opositores dos protestos antirracistas tenham ido a Kenosha na última terça-feira – quando aconteceram os disparos –, entretanto, a polícia não informou se Rittenhouse fazia parte de algum movimento organizado.

De acordo com registros judiciais analisados ​​pelo jornal “Chicago Tribune”, a mãe de Rittenhouse fez o pedido de um ordem de proteção para seu filho em janeiro de 2017, alegando que um colega de classe do adolescente o ameaçava e o chamava de “burro” e “estúpido”.

O superintendente escolar de Antioch, Jim McKay, confirmou que Rittenhouse frequentou o ensino médio na Lakes Community High School durante um semestre entre 2017 e 2018, mas que ele não voltou a se matricular em nenhuma das escolas secundárias locais depois disso.

Fora da escola, Rittenhouse participou do programa de cadetes no Corpo de Bombeiros de Antioch e no Departamento de Polícia de Grayslake. Esse é um tipo de programa de treinamento para jovens interessados em ingressar nas forças de segurança dos EUA.

Destinada a participantes de 14 a 21 anos, a formação pelo departamento de polícia oferece “a oportunidade de explorar uma carreira na aplicação da lei” por meio de caronas com policiais em patrulha e treinamento com armas de fogo, de acordo com conteúdo removido do site oficial.

Rittenhouse também trabalhou como salva-vidas em meio período dentro de uma unidade da ACM (Associação Cristã de Moços) em Lindenhurst, Illinois, mas foi dispensado em março.

Comício de Trump

Alguns meses antes, ele participou de um comício de Trump na cidade de Des Moines, sentado na primeira fila. Ele postou um vídeo do evento no TikTok em 30 de janeiro, segundo o site “Buzzfeed News”.

A campanha de Trump, por meio de seu porta-voz Tim Murtaugh, afirmou que o presidente havia “repetidamente e consistentemente condenado todas as formas de violência”. Segundo Murtaugh

Esse indivíduo não teve nada a ver com nossa campanha e apoiamos totalmente nossa fantástica polícia por sua ação rápida neste caso”, disse Tim, porta-voz da campanha de Trump

Além da manifestação de apoio a Trump, as postagens públicas no Facebook de Rittenhouse são quase inteiramente dedicadas a homenagear a polícia, com fotos de policiais mortos no cumprimento do dever, e referências a movimento “Blue Lives Matter”.

Em dezembro de 2018, o suspeito iniciou uma campanha de arrecadação de fundos no Facebook para a “Humanizing the Badge”, uma organização sem fins lucrativos que, segundo Rittenhouse, busca “criar relacionamentos mais fortes entre os policiais e as comunidades que eles atendem”.

Enquanto isso, em sua conta no TikTok ele apareceu nas últimas semanas montando ou disparando dois tipos diferentes de armas. Segundo reportagem do BuzzFeed News: um fuzil AR-15 e uma arma de fogo que ele identificou como uma espingarda calibre 12.

Na terça-feira, quando Kenosha explodiu em manifestações após o tiro da polícia em Blake, Rittenhouse apareceu na cidade com o rifle. O jovem de 17 anos dirigiu cerca de 30 km de Antioch a Kenosha, também carregando um kit médico.

Antes dos disparos, Rittenhouse disse ao “Daily Caller” que “se alguém está ferido, estou correndo perigo”. E justificou: “É por isso que estou com meu rifle. Eu tenho que me proteger, obviamente”. Ele e outros civis armados registrados em vídeos violaram o toque de recolher de Kenosha.

Por ter 17 anos, ele também seria muito jovem para portar abertamente uma arma no estado de Wisconsin. Mas ele não teve problemas com a polícia em Kenosha por causa disso antes do episódio que resultou nas mortes.

Pior que isso: segundo o “Washington Post” há um trecho de uma transmissão ao vivo que parece mostrar a polícia, de um veículo blindado, jogando garrafas de água para ele e outras pessoas de seu grupo, e dizendo: “Agradecemos a vocês. Realmente agradecemos.”

Na tarde de quarta-feira (26), a polícia de Antioch fez uma ação dentro do complexo de apartamentos onde Rittenhouse morava para levar o jovem sob custódia. Com veículos blindados estacionados na entrada, deixaram que apenas os residentes entrassem e saíssem dos prédios.

Uma vizinha disse que a prisão no complexo a deixou atordoada, principalmente porque o suspeito tem a idade de seus filhos. Tammy Blanton disse ter ficado surpresa porque Antioch é uma cidade muito tranquila e nunca tinha ouvido nada ruim por ali.

“Vamos ao parque bem aqui, na rua de baixo”, disse Blanton. “Saber que há alguém assim no bairro, ainda preciso saber da história completa do que aconteceu, mas é muito assustador.”