A queimada na serra do Lajeado, no entorno de Palmas, vai entrar no quarto dia nesta terça-feira (31). Durante a noite desta segunda-feira (30) o combate precisou ser suspenso e só deve ser retomado quando amanhecer. No momento, um dos maiores desafios para controlar as chamas é que o fogo está muito perto dos paredões de pedra.

A principal dificuldade é que a proximidade com os penhascos torna a aproximação dos brigadistas por terra inviável, por ser muito arriscada. A principal alternativa seria o combate pelo ar, com o helicóptero do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) fazendo lançamentos de cargas de água pelo alto.

Mas mesmo o helicóptero tem encontrado problemas, já que as represas próximas do local onde as chamas são mais fortes, que poderiam ser usadas na captação de água, estão secas. No primeiro dia da força-tarefa a aeronave precisou pegar água no lago do Parque Cesamar, no centro de Palmas, a mais de 30 km do local do fogo.

O fogo começou no sábado (28) e chegou a cobrir de fumaça a parte central do plano diretor de Palmas durante o fim de semana. Durante a noite, a mudança na temperatura do ar faz com que a situação piore porque as nuvens de fumaça ficam no nível das ruas.

De acordo com a Prefeitura de Palmas, há duas frentes do incêndio na serra, sendo uma na região do Morro da Tartaruga e outra na região de Taquaruçu Grande. Estão empregados no combate tanto os profissionais do Corpo de Bombeiros como brigadistas municipais e do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins). Há ainda equipes da Defesa Civil e da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Semarh) envolvidas.