A proposta que o governo de Jair Bolsonaro enviou ao Congresso na última semana deve fazer com que cerca de 50% das empresas hoje no regime tributário do lucro presumido migrem para lucro real, segundo dados da Roit Consultoria e Contabilidade.

Se o texto for aprovado, essa mudança poderá deve ser realizada até abril de 2021.

De acordo com o advogado tributarista Lucas Ribeiro, sócio-diretor da Roit, as alterações exigirão das empresas uma gestão fiscal e contábil de forma completa e mensal.

O executivo explica que, pela proposta, os tributos PIS e Cofins serão substituídos por um novo, a Contribuição sobre operações com Bens e Serviços (CBS).

Hoje, PIS e Cofins têm alíquotas totais de 3,65% para lucro presumido, sem créditos tributários, e de 9,25% para lucro real, com créditos.

A nova CBS terá alíquota de 12% de crédito nas aquisições e de 12% de débito na saída sobre receita bruta.

Neste cenário, Ribeiro ressalta que o lucro presumido se tornará inviável para muitas empresas, que passarão a tributar a CBS com uma carga efetiva maior, reduzindo sua lucratividade, e já terão que operar exatamente igual ao lucro real, lançando e contabilizando todas as suas aquisições mês a mês.