A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) para investigar as mortes causadas pelo novo coronavírus no Brasil pode sair mais rápido do que o governo espera. A Rede e o PSB já articulam no Congresso para viabilizar o colegiado e investigar a conduta do governo federal na condução do enfrentamento à pandemia no país.

É preciso lembrar que o presidente da República, Jair Bolsonaro, faz propaganda de remédios ineficazes, provoca aglomerações, agiu contra o uso de máscara e chegou a criticar a vacina contra covid-19, chegando a comemorar quando as pesquisas da CoronaVac foram temporariamente suspensas.

Se a CPMI sair, será a segunda comissão a rondar o Executivo, já que parlamentares também investigam o uso de fake news durante as campanhas presidenciais de 2018, o que atinge pessoas próximas a Jair Bolsonaro.

O líder da Rede no Senado, senador Randolfe Rodrigues (AP), e o líder do PSB na Câmara, deputado Alessandro Molon (RJ), estão colhendo assinaturas para a criação da comissão. Além da conduta do governo no combate à pandemia, o colegiado deverá investigar, também, o desabastecimento de oxigênio hospitalar no Amazonas, o que provocou dezenas de mortes.

Informações preliminares dão conta que o Ministério da Saúde foi informado previamente que o estoque de oxigênio na capital, Manaus, e de outros municípios estava abaixo do recomendado. “Desde a chegada da pandemia ao país, o que vimos foram tentativas do governo em minimizar a gravidade do problema, além de sabotagem às medidas sanitárias para contenção do espalhamento do vírus e a fixação em remédios sem nenhuma eficácia comprovada contra a covid-19”, afirmou o senador Randolfe Rodrigues.

“Estamos propondo a criação da CPMI do Coronavírus para que toda a omissão e o boicote ao efetivo enfrentamento da pandemia sejam devidamente investigados, e para que os responsáveis sejam punidos. O Brasil tem uma das piores respostas do mundo no enfrentamento à covid-19, com milhares de mortes que poderiam ter sido evitadas. O parlamento brasileiro tem o dever de investigar e fazer com que Bolsonaro e seus auxiliares prestem contas à Justiça por eventuais crimes que tenham cometido”, disse Molon.

Impeachment

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) já afirmou que a criação de uma CPMI e até o debate sobre um possível pedido de impeachment contra Jair Bolsonaro é mera questão de tempo. Sobre um impedimento, Maia disse, no entanto, que é perigoso iniciar um processo durante o combate à pandemia e desviar o parlamento do foco principal no momento. Já no caso de uma comissão, para o presidente da Câmara, “vai virar uma grande investigação”.

“É inevitável que a gente tenha, pelo menos, uma grande CPI, que seja da Câmara ou do Congresso, a partir de um pouco mais na frente, e certamente essa investigação vai chegar aos responsáveis pelo não atendimento ao e-mail de uma indústria farmacêutica querendo vender vacina para o Brasil, e que agora já não tem mais essas vacinas para vender. Toda essa desorganização, toda essa falta capacidade de logística e de entrega de equipamentos e insumos aos estados e municípios. Isso tudo vai ficar claro mais na frente”, avaliou o parlamentar.