Um novo alojamento de 121m² foi inaugurado na Casa de Prisão Provisória (CPP) de Palmas, no Tocantins. Com um detalhe: o aposento com capacidade para 36 reeducandos foi construído por eles mesmos, como parte prática do curso especial de Construção Civil. A formação é oferecida pelo Governo do Tocantins, por meio da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), realizada pela Embrasil Serviços, empresa responsável pela cogestão da unidade prisional, ministrada e certificada pelo Instituto Natura Vida (INA).

Doze dos 18 reeducandos que participaram da segunda turma do curso, iniciada em julho, atuaram na obra, que durou 90 dias.“Tratam-se de apenados em situação de ressocialização que já colaboram com a manutenção, limpeza e jardinagem na CPP Palmas”, explica Juliano Viana, gerente da Embrasil na unidade prisional. Por meio do curso de Construção Civil eles tiveram acesso às ferramentas, técnicas e estratégias necessárias para aprender a trabalhar como pedreiro, encanador e/ou eletricista.

Entre eles está F. A. A., 49 anos, natural de Barras, no interior do Piauí, preso há 5 anos e 5 meses por homicídio. Apesar de atuar na área de Construção Civil antes da detenção, ele nunca tinha concluído uma formação profissional. O projeto de ressocialização, garante, trouxe ensinamentos técnicos que somam à experiência, além da gratificação pessoal de ver algo surgir com a sua contribuição. “É bom morar em algo construído com a minha participação”, declara. Fã principalmente de trabalhar com alvenaria e cerâmica, Alves não tem dúvidas: após ganhar a liberdade, o que deve acontecer muito em breve, a profissão será sua forma de sustentar a esposa e os 11 filhos.

Com uma carga horária de 160 horas (4h por dia), o curso de Construção Civil inclui qualificação técnica nas áreas de elétrica, alvenaria e hidráulica. Além das teorias recebidas, os reeducandos aplicam o conhecimento em melhorias na própria unidade prisional. Além disso, o curso prevê remição de um dia de pena a cada 12 horas de formação.