O Reino Unido endureceu as restrições contra a Covid-19, e anunciou  que poderá prender viajantes que omitirem passagem pelo Brasil e mais 30 países considerados de risco. A medida visa conter a infecção por novas variantes do coronavírus.

 

O país é o mais atingido pela pandemia na Europa, e já registrou mais de 113 mil mortes por complicações da Covid-19. O Reino Unido já havia anunciado, em meados de janeiro, a proibição de viagens para passageiros vindos do Brasil, e moradores de toda a América do Sul.

 

A proibição de viagens não vale para cidadãos britânicos que queiram voltar para a casa ou para estrangeiros com permissão de residência no Reino Unido, no entanto todos os viajantes que passarem por esses países deverão fazer um isolamento obrigatório de dez dias.

 

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, disse em um pronunciamento que quarentena deve ser cumprida em um dos vários hotéis designados pelo governo, e cada passageiro deverá arcar com os custos da hospedagem: 1.750 libras (cerca de R$ 13 mil).

 

Além disso, todos os viajantes que chegarem ao país terão que se submeter a dois testes do tipo RT-PCR (do cotonete) para a detecção da Covid-19 – os testes, que custam cerca de 120 libras cada um (R$ 890) não serão pagos pelo governo.

 

Uma decisão anterior do governo britânico já previa a obrigatoriedade de testes negativos, com até 72h de antecedência, para viajantes vindos do exterior que desembarcassem na Inglaterra ou na Escócia – incluindo cidadãos do país.

 

Para garantir que essas normas sejam cumpridas, Hancock anunciou que qualquer pessoa que se recusar a fazer o teste será multado em até 2 mil libras (R$ 14 mil). Já os cidadãos ou residentes que não respeitarem a quarentena poderão ter que pagar até 10 mil libras (R$ 75 mil).