O chanceler do Reino Unido, Dominic Raab, entrou em contato com o governo dos Emirados Árabes  para pedir provas de que a princesa Latifa, filha do emir de Dubai, ainda está viva. A solicitação veio após ser divulgado um vídeo em que Latifa afirma ter sido sequestrada e estar sendo mantida em cativeiro a mando do pai, o xeque Mohammed bin Rashid al-Maktoum.

— Diante do que acabamos de ver, acredito que as pessoas gostariam de saber se ela está viva e com saúde — declarou o ministro à emissora Sky News, afirmando que o vídeo da princesa mostrava uma mulher em profunda angústia.

Latifa, 35 anos, tentou fugir em um barco em 2018, quando foi resgatada e enviada de volta a Dubai por autoridades indianas. Nos vídeos divulgados pela rede BBC e pela Sky News, Latifa aparece em um banheiro, em uma gravação feita com um celular, relatando estar sendo mantida como refém. “Fui sequestrada e essa mansão foi convertida em um cativeiro”, diz a princesa no vídeo. Ela também diz que se preocupa todos os dias com a própria vida, e que os guardas do lado de fora da prisão dizem que ela “nunca mais verá o sol”.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, também disse estar preocupado com a situação de Latifa, e afirmou que as Nações Unidas estão analisando o caso.

— O que vamos fazer é esperar e ver como eles se comportam agora. Ficaremos de olho na situação — declarou Boris à imprensa.

Em março passado, um juiz da Suprema Corte do Reino Unido aceitou como verídicas as alegações de que o xeque ordenou o sequestro de suas filhas Latifa e Shamsa. A defesa do emir, no entanto, rejeitou as acusações.

Em 2019, a princesa Haya, irmã do rei da Jordânia, buscou refúgio em Londres, onde deu seguimento ao processo de divórcio de Mohammed Al-Maktoum, acusado por ela de violência de gênero.