Este réveillon poderá ser diferente até mesmo do que se imaginou como o “novo normal”. Depois de cancelar queima de fogos e shows na praia, a prefeitura vai instalar 40 pontos de bloqueio para controlar o acesso das pessoas à orla da cidade, do Leme ao Recreio, no Pontal. Entre as 20h do dia 31 — quando tradicionalmente as praias começam a lotar, sobretudo a de Copacabana — e as 3h do dia 1º, ônibus e vans não poderão mais entrar na região. De quebra, a medida, além de conter as multidões que se juntam à beira-mar na virada do Ano Novo, terá efeito sobre as festas particulares. A ideia é desencorajar as pessoas a saírem de casa, em meio à pandemia, para grandes reuniões familiares.

Na Zona Sul, o bloqueio é total — ou seja, não será possível, no horário determinado, entrar em qualquer via dos bairros. Na Barra, a regra vale para a orla. Além do controle da circulação, o metrô, serviço mais usado nesta época do ano, deixará de circular às 20h do dia 31. A Polícia Rodoviária também ficará de prontidão nos acessos à cidade, a partir de amanhã, para barrar ônibus e vans de excursão. A Secretaria de Ordem Pública (Seop) promete agir para impedir que pessoas durmam na areia para o ritual de “bom dia ao sol”, comum no primeiro amanhecer do ano em viradas passadas.

Multa de R$ 15 mil

A partir do primeiro minuto do dia 31, não será permitido também estacionar na orla e em algumas ruas internas dos bairros e da Lagoa, em um esquema que será mantido até o dia 2. A partir das 20h, só será possível entrar nos bairros a pé ou de bicicleta. De táxi (veículos de aplicativos estão vetados) ou carro de passeio, o acesso só será liberado se os passageiros apresentarem comprovante de que são moradores, hóspedes de hotel ou que vão a algum evento autorizado. O coordenador do Centro de Operações Rio (COR), Alexandre Caderman, destaca que as medidas rígidas, que podem afetar até as reuniões em família, visam a conter o avanço do vírus:

— Queremos desestimular mesmo a circulação de pessoas na orla. A mensagem que queremos passar inclusive para as famílias é: Fiquem em suas casas! A virada de 2020 para 2021 é para celebrar a vida, sem aglomerações. Se querem confraternizar, façam reuniões virtuais. É melhor do que se expor ao risco de ficar doente e até morrer — diz Caderman. — A melhor homenagem que podemos fazer para as 190 mil vítimas do coronavírus é deixar a orla de Copacabana vazia.

Nem tudo, no entanto, está proibido. Alguns eventos, festas e shows serão permitidos em hotéis, bares e restaurantes com alvará definitivo para estas atividades. A prefeitura alega que, para obter a licença, esses estabelecimentos têm que cumprir regras rigorosas de higiene e isolamento social. Regras que são mais difíceis de serem seguidas em clubes e quiosques, que estão proibidos de promover celebrações. Os ambulantes licenciados para atuar na areia também não terão quaisquer restrições.

O município não soube informar quantos estabelecimentos licenciados realizarão eventos na virada do ano. Mas disse que monitora redes sociais e, caso detecte festas não autorizadas, os organizadores serão advertidos de que estão sujeitos a multa de R$ 15 mil por infração, que pode ser dobrada em caso de reincidência. Um exemplo: se um estabelecimento estiver fazendo festa sem autorização e as pessoas convidadas não usarem máscaras, a punição é em dobro.

O secretário de Ordem Pública, Alessandro Cartagena, está mobilizando mais de mil agentes e fiscais do município para circular em comboios.