Tivemos que nos adaptar a um mundo em rápida mudança no ano passado, mas alguns de nossos hábitos recém-adquiridos valem a pena manter quando a pandemia terminar.

Alguns comportamentos têm beneficiado o meio ambiente, como comprar produtos locais, diminuir o deslocamento e viajar menos. Outros reduziram nossas chances de contrair doenças. Mas é mais fácil falar do que fazer manter esses hábitos.

A probabilidade de internalizar um hábito depende muito de quão único ele é em comparação com os demais, disse Art Markman, professor do departamento de psicologia da Universidade do Texas em Austin.

Pode ser relativamente fácil criar um novo hábito se nada competir com ele, como aprender a dirigir para o trabalho em uma nova cidade. Torna-se mais difícil se outros hábitos competirem com ele, como uma alimentação saudável quando seu cônjuge gosta de cozinhar muito.

“Você já tem muitas memórias sobre o que fez na cozinha e na sala de jantar, então todas as outras memórias estão competindo com o novo hábito que você está tentando criar”, explicou Markman.

A chave para transferir hábitos para um mundo pós-pandêmico é antecipar os obstáculos potenciais. Markman observou que algumas pessoas usaram o tempo que, de outra forma, seria gasto em seu trajeto diário para se exercitar. Se elas voltarem a trabalhar pessoalmente e esse tempo for tirado, poderiam encontrar uma academia perto do trabalho para continuar a atividade saudável.

Muitas pessoas viajaram menos de avião ou carro, que afetava positivamente o meio ambiente, afirmou Sabina Shaikh, diretora do Programa de Meio Ambiente Global da Universidade de Chicago.

Quando as pessoas dirigem menos, “há mais espaço e segurança para andar de bicicleta e caminhar”, acrescentou.

À medida que velhos e novos hábitos colidem com a lenta reabertura do mundo, aqui estão alguns comportamentos a serem mantidos por muito tempo após o fim da pandemia.

Comprar de produtores locais

Quando o mundo entrou em bloqueio, muitas pessoas se voltaram para os mercados agrícolas ao ar livre e outras pequenas empresas para comprar os produtos tão necessários, de acordo com a Administração de Pequenos Negócios dos EUA.

Comprar alimentos cultivados localmente ajuda a minimizar sua pegada de carbono, segundo um relatório do governo de Alberta, Canadá.

Parte das emissões de gases de efeito estufa vem do transporte que os alimentos fazem para chegar ao seu destino, que o relatório chamou de “milhas alimentares”. Segundo a Lei de Alimentos, Conservação e Energia de 2008, dos Estados Unidos, um “produto alimentar agrícola produzido local ou regionalmente” viaja menos de 643 quilômetros do ponto de origem até onde é comercializado ou vendido no estado que o produziu.

Diminuir o deslocamento para o trabalho

Quando a pandemia fechou muitos escritórios, as pessoas rapidamente entraram na internet para continuar trabalhando virtualmente.

Os norte-americanos viajaram quase 59 bilhões de quilômetros a menos em junho de 2020 em comparação com o mesmo mês de 2019, de acordo com a Administração Federal Rodoviária do país. A Agência de Proteção Ambiental estima que um veículo de passageiros típico emita cerca de 4,6 toneladas métricas de dióxido de carbono por ano.

Markman disse que viu mais pessoas caminhando para as lojas próximas em sua área, além de se deslocarem menos devido à pandemia. Trabalhar em casa alguns dias por semana é outro benefício para o meio ambiente, pois pode reduzir as emissões de dióxido de carbono.

Reduzir viagens de avião

As companhias aéreas foram uma das indústrias mais atingidas durante a pandemia, com voos cancelados e restrições de viagens para evitar a propagação da Covid-19. Só nos Estados Unidos, as companhias aéreas transportaram 70% menos passageiros em agosto de 2020 em comparação com o mesmo mês de 2019, de acordo com o Departamento de Transporte.

Não estamos dizendo que você não deve entrar em um avião em breve para visitar sua família, mas algumas viagens de negócios podem ser substituídas por videoconferências.

A qualidade do ar melhorou em todo o mundo sob as restrições da pandemia, disse Shaikh, o que se deve “em grande parte devido à redução nas viagens”. No entanto, a qualidade do ar está lentamente começando a piorar à medida que os lugares voltam a se abrir.

Voos, atualmente, são responsáveis por 2% das emissões globais de dióxido de carbono — e este número está aumentando.

Passar um tempo com a família no jantar

Quando a pandemia começou, tornou-se significativamente mais difícil, ou em alguns casos impossível, ver seus entes queridos pessoalmente. Famílias que moravam na mesma casa passavam algum tempo juntas e frequentemente participavam de atividades como assar pão e montar quebra-cabeças.

Trabalhar em casa também deu às famílias a oportunidade de jantarem juntas. Além de aumentar o tempo de convivência, o hábito foi associado positivamente com o consumo de frutas e vegetais, de acordo com um estudo publicado no Journal of Nutrition Education and Behavior.

Passar tempo na natureza

Muitos de nós correram para as colinas — em alguns casos, literalmente — quando a Covid-19 se infiltrou nas cidades. Além de uma fuga bem-vinda, explorar a natureza também traz benefícios para a saúde física e mental, de acordo com um artigo de 2019 publicado na Scientific Reports. Dos indivíduos que passavam pelo menos duas horas por semana na natureza, apenas um em sete relatou problemas de saúde.

As crianças também colhem os benefícios de passar tempo regularmente na natureza, concluiu uma pesquisa publicada na Frontiers in Psychology. As crianças que relataram se sentir conectadas à natureza eram mais altruístas e pontuavam alto em uma escala de felicidade.

Uso de máscara no caso de doença

Antes da pandemia, as pessoas raramente usavam máscaras quando estavam com doenças como a gripe. Nos primeiros meses durante a pandemia, elas se esforçaram para comprar máscaras faciais depois que as autoridades sanitárias emitiram orientações de que o uso de máscaras pode diminuir suas chances de transmitir a Covid-19.

Usar uma máscara também pode reduzir significativamente a propagação do vírus da gripe, de acordo com um estudo de 2013 publicado na PLOS Pathogens.

Em 2020, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA mostraram uma queda acentuada na atividade da gripe no país. Eles atribuíram a diminuição às pessoas que seguiram as medidas de segurança para evitar a Covid-19, além daquelas que receberam a vacina contra a gripe.