A vacina papilomavírus humano, conhecida como HPV, está no Calendário Nacional de Vacinação como estratégia de saúde pública desde março de 2014 e atua no reforço às ações de prevenção do câncer do colo do útero, que é o mais comum no Tocantins e o terceiro mais comum no Brasil.

Apesar de ser uma das formas mais eficazes de combater a doença, a procura pela vacina tem sido baixa no Tocantins. Dados da Gerência de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde (SES) mostram que em 2019, o Estado imunizou apenas 37,7% dos meninos de 11 a 14 anos e 47,9% das meninas na faixa etária de 09 a 14 anos. Até o momento em 2020 foram aplicadas 17.174 doses nos meninos o que corresponde a 28,26% da cobertura e 49.731 doses aplicadas nas meninas, o que corresponde a 57,90% da cobertura, sendo que a meta do Estado é imunizar 80% do público alvo.

Segundo a gerente de Imunização da SES, Diandra Rocha, um dos motivos da baixa procura é o preconceito de que a vacina irá incentivar as crianças e jovens a realizarem relações sexuais. “Ela irá apenas prevenir uma doença sexualmente transmissível. Há vários mitos e fake news sobre esse assunto, e é nosso dever desmistificar, temos outras vacinas no calendário básico que previnem doenças sexualmente transmissíveis como a Hepatite B, a intenção da imunização é a prevenção de doenças”, explicou.

Ela ressalta ainda que a vacina está disponível nas 307 salas de vacina do Tocantins e é a medida mais eficaz para prevenção contra a infecção. “A vacina é distribuída gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e é indicada para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos, com o esquema de duas doses para ambos os sexos com intervalo de seis meses após a primeira dose”, destacou.

Prevenção

Para os meninos, a vacina protege contra os cânceres de pênis, garganta e ânus, doenças que estão diretamente relacionadas ao HPV. A definição da faixa etária para a vacinação visa proteger meninos e meninas antes do início da vida sexual e, portanto, antes do contato com o vírus.

Nas meninas, o principal foco da vacinação é proteger contra o câncer de colo do útero, vulva, vaginal e anal; lesões pré-cancerosas; verrugas genitais e infecções causadas pelo vírus. O HPV é transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas por meio de relação sexual. Também pode ser transmitido da mãe para filho no momento do parto.

Esquema de vacinação

O Ministério da Saúde preconiza que meninos e meninas tomem duas doses da vacina, com intervalo de seis meses entre elas. Para as pessoas com HIV de nove a 26 anos de idade, e pacientes imunodeprimidos (indivíduos submetidos a transplantes de órgãos sólidos, de medula óssea e pacientes oncológicos) são três doses com intervalo de 0, 2 e 6 meses e estes devem apresentar prescrição médica.