O processo de imunização contra a Covid-19, com as vacinas disponíveis até o momento, pede que cada pessoa tome duas doses (D1 e D2) seja de CoronaVac, AstraZeneca ou Pfizer. Contudo, dados do Centro de Informações e Decisões Estratégicas em Saúde (Integra Saúde), da Secretaria de Estado da Saúde (SES) apontam que 6.031 tocantinenses estão com a segunda dose atrasada há mais de 90 dias.

Segundo o técnico da área de planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS), que atua no Integra, Ullannes Passos Rios, “fizemos um levantamento e percebemos que 4.085 pessoas que receberam a 1ª dose de CoronaVac, que tem intervalo de 21 a 28 dias, já estão há mais de 90 dias sem tomar a 2ª dose. Em relação à AstraZeneca, a qual tem segunda dose após 90 dias, já temos 1.946 pessoas que já fizeram 1ª dose e já teriam que ter recebido a 2ª”, destacou, acrescentando que “a Pfizer não entra na estatística porque as doses têm intervalos de três meses e as primeiras aplicações ocorreram mês passado”.

Os números são preocupantes, uma vez que tal inércia atrapalha a logística do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO); limita o esquema vacinal enfraquecendo o efeito que a vacina poderia ter contra a doença, que já levou 3.072 tocantinenses a óbito. “É necessário que estas pessoas compareçam para receberem as segundas doses e, assim, darmos continuidade aos próximos grupos prioritários que constam no PNO”, enfatizou o titular da SES, Edgar Tollini.

Até a sexta-feira, 18, o Tocantins recebeu 715,4 mil doses de vacinas e já distribuiu 668.596 doses aos municípios. Deste total, até este sábado, 19, já foram aplicadas 352.007 em D1 e 139.669 de D2, o que corresponde a 22,14% vacinada com a primeira e 8,78% da população imunizada com a segunda dose.